IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Por que a ação da Lojas Renner não cai como a do Magazine Luiza?

Lojas Renner ganha das rivais na Bolsa de valores - Divulgação
Lojas Renner ganha das rivais na Bolsa de valores Imagem: Divulgação

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

13/07/2022 12h52

As duas empresas são do mesmo setor: comércio. Mas uma já perdeu metade de valor de mercado este ano e outra valorizou 6,4%. Por que a crise de inflação e juros altos afeta tão diferentemente as ações da Magazine Luíza (MGLU3) e outras varejistas - e não faz tanto mal para Lojas Renner (LREN3)?

Hoje, por exemplo, até o meio-dia, a rede gaúcha de lojas de moda estava entre as cinco maiores altas do dia, com valorização de 1,41%, a R$ 24,52.

Qual a diferença? A explicação está no produto que as duas vendem. A Lojas Renner, embora tenha a Camicado, de produtos de casa e decoração, está mais concentrada em vestuário, que depende menos de crédito. Já as vendas do Magazine Luiza dependem mais de crédito, já que ela está concentrada em eletrodomésticos, diz Marcio Loréga, analista-chefe do PagBank.

O Magazine Luíza, no primeiro trimestre, fez 73% de suas vendas pelo crédito. Não é tão diferente das Lojas Renner, cuja parcela foi de 72%. O que separa as duas redes é que, enquanto Magalu divide compras em até 24 vezes, Lojas Renner faz no máximo em oito.

Pessoas estão comprando mais roupas Além disso, acontece uma recuperação de vendas para roupas e calçados. Muitos deixaram de comprar essas peças nos últimos anos e há uma demanda reprimida no setor de vestuário, diz a Terra Investimentos, em documento para investidores. A Lojas Renner também é dona da marca Youcom, que tem produtos mais caros, voltados para um consumidor menos afetado pela inflação. É a mesma coisa que acontece com o Grupo Soma (SOMA3), dona da grife Farm.

Renner pode crescer mais? Outro fator positivo para a Renner é que ela está mais preparada para fazer novas aquisições em um futuro próximo. Por isso, essa ação ganha valor, segundo Lórega.

Vale a pena comprar? Sim, diz a Terra Investimentos, que estipulou um preço alvo é de R$ 44 para os próximos 12 meses - uma valorização de 79,45%. O PagBank também recomenda compra, mas aposta num valor mais baixo: R$ 35,60, o que resultaria em alta de 45,19%.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.