PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Endividamento das famílias fica em 46,2% em abril, afirma Banco Central

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses - RafaPress/Getty Images
O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses Imagem: RafaPress/Getty Images

Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues

Brasília

26/06/2020 10h10

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro ficou estável em 46,2% abril, mesmo patamar de março, informou hoje o Banco Central. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 27,2% em abril, ante 27,3% em março.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE.

Em função da metodologia utilizada, os números de endividamento sempre são divulgados com um mês de defasagem. Assim, os dados de hoje têm como referência o mês de abril, quando se intensificaram os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia.

Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu 20,9% em abril, ante 21,1% em março. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 18,5% em abril, ante 18,6% em março.

Habitação

O estoque das operações de crédito direcionado para habitação no segmento pessoa física cresceu 1,0% em maio ante abril, totalizando R$ 660,082 bilhões, informou o Banco Central. Em 12 meses até maio, o crédito para habitação no segmento pessoa física subiu 8,1%.

Os dados apresentados hoje pelo BC são influenciados pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus, que colocou em isolamento social boa parte da população e reduziu a atividade das empresas.

Já o estoque de operações de crédito livre para compra de veículos por pessoa física recuou 0,9% em maio ante abril, para R$ 204,100 bilhões. Em 12 meses, houve alta de 12,3%.