PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

55% dos brasileiros são atendidos com esgoto e 84,1% com rede de água

Quase metade dos brasileiros ainda vive sem acesso à rede de esgoto, indicam dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - Divulgação/Prefeitura do Rio
Quase metade dos brasileiros ainda vive sem acesso à rede de esgoto, indicam dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Imagem: Divulgação/Prefeitura do Rio

Amanda Pupo

Brasília

17/12/2021 11h22

Dados atualizados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis) mostram algum avanço no atendimento desses serviços à população, mas o cenário ainda está longe da universalização, especialmente na questão do esgotamento sanitário.

Quase metade dos brasileiros ainda vive sem acesso à rede de esgoto. Ferramenta do governo federal, o Snis com dados de 2020 foi divulgado nesta sexta-feira, 17, pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, e aponta que apenas 55% são atendidos com rede de esgoto.

Em 2019, o índice era de 54,1%. Além disso, somente 50,8% do esgoto é tratado. O acesso à distribuição de água teve aumento similar. O dado mais atualizado indica que 84,1% da população é atendida com rede de água. Em 2019, a parcela era de 83,7%. Segundo o governo, 5.350 municípios responderam à pesquisa.

Em evento de lançamento dos números, o secretário Nacional de Saneamento, Pedro Maranhão, afirmou que o ano foi "promissor" com a implantação do novo marco legal do Saneamento, em vigor desde 2020.

Desde que a lei foi sancionada, já foram realizados seis leilões no setor, todos considerados bem-sucedidos, com mais de R$ 40 bilhões de investimentos contratados.

Pelas metas do novo marco, até 2033, as empresas precisam garantir o atendimento de água potável a 99% da população e o de coleta e tratamento de esgoto a 90%.

"O marco já está acontecendo, por isso é um sucesso, os românticos que acham que água é divina, não é mercadoria, continuam insistindo contra o marco. O Supremo pôs a pá de cal, é constitucional", disse Maranhão, referindo-se a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que declarou a nova lei constitucional.

O secretário do Saneamento afirmou ainda que o ministério estuda atualizar os dados do Snis mensalmente. "É uma maneira interessante de as pessoas irem acompanhando", disse.

PUBLICIDADE