IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

Embaixador chinês elogiou cumprimento rápido de protocolo, diz Agricultura

Linha de produção de frigorífico no Sul do Pará - Arquivo - Divulgação/Bruno Cecim/Agência Pará
Linha de produção de frigorífico no Sul do Pará Imagem: Arquivo - Divulgação/Bruno Cecim/Agência Pará

Isadora Duarte

Em São Paulo

23/02/2023 15h25Atualizada em 23/02/2023 15h52

O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, e o embaixador da China no Brasil, Zhu Qingqiao, conversaram na manhã de hoje sobre os protocolos adotados pelo País em relação à identificação de um caso isolado de EEB (Encefalopatia Espongiforme Bovina), doença popularmente conhecida como "mal da vaca louca", no Pará. A informação foi divulgada pelo Ministério da Agricultura em nota.

Segundo a pasta, o embaixador chinês destacou que "aprecia o fato de o Brasil ter cumprido prontamente o protocolo sanitário" assinado com o país, que prevê a suspensão imediata e temporária das exportações de carne bovina brasileira à China.

Zhu reforçou também, segundo o ministério, a intenção de promover a cooperação agrícola entre os países, já que a carne bovina brasileira é a principal origem do produto para atender os consumidores chineses.

Ao embaixador chinês, Fávaro disse que o Brasil seguirá cumprindo os protocolos relacionados à apuração do caso com transparência. "O governo do Brasil preza muito pelo respeito aos países parceiros. Queremos continuar garantindo o suprimento de produtos de alta qualidade e sabemos das nossas obrigações e deveres, fazendo isso com total transparência, determinação e agilidade", explicou o ministro.

A doença foi confirmada ontem em um animal de nove anos, criado a pasto, em uma pequena propriedade do Pará. De acordo com o governo do Pará e com o ministério, as características indicam que se trata de um caso atípico, ou seja, que surge de forma espontânea no organismo do animal, sem risco de disseminação no rebanho nem ao ser humano.

O resultado do teste foi encaminhado para análise do laboratório de referência da OMSA (Organização Mundial de Saúde Animal), em Alberta, no Canadá, onde será identificada a tipificação da doença.