IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Se aprovada, recuperação judicial da Light será 8ª maior da história; veja lista

Dívida da holding que controla a concessionária Light é de R$ 11 bilhões; Odebrecht lidera lista - Divulgação/Light
Dívida da holding que controla a concessionária Light é de R$ 11 bilhões; Odebrecht lidera lista Imagem: Divulgação/Light

São Paulo

13/05/2023 13h45Atualizada em 13/05/2023 15h08

A recuperação judicial da Light S/A, se aprovada pela Justiça, será a oitava maior da história no País. O valor da dívida da holding que controla a concessionária Light é de R$ 11 bilhões, o que coloca o caso logo atrás da recuperação judicial da OGX, de R$ 12,3 bilhões, sem correção monetária a valor presente.

A Light S/A argumenta que a incapacidade de pagar as contas está ligada a um problema de segurança pública no Rio de Janeiro, e não diretamente à incapacidade de renegociar dívidas.

"Esse é um pedido de recuperação bem atípico porque aponta o Estado como o problema. Dizem que, no Rio, já há muitos casos de roubo de cabos e de energia", afirma Marcello Marin, da Spot Finanças.

Fontes ouvidas pelo Estadão disseram que o caso da Light pode contar com auxílio do governo para garantir a iluminação no estado do Rio, mas que a tendência de empresas enfrentando problemas em manter as contas em dia vai continuar neste ano.

"Ter mais uma recuperação judicial grande é mais um alerta de que temos um problema na economia", diz Renato Leopoldo e Silva, especialista em contencioso empresarial na DSA Advogados.

Em termos de valores, a maior recuperação judicial do País é a da Odebrecht, que iniciou o processo com dívidas de R$ 80 bilhões. A segunda maior é da Oi, recentemente finalizada, de R$ 65 bilhões. A terceira é a da Samarco, de R$ 55 bilhões.

Em 2023, Americanas e Oi deram início a processos de cifras bilionários no País.

Confira, a seguir, os dez maiores pedidos de recuperação judicial do País, em valor de dívida:

  1. Odebrecht: R$ 80 bilhões
  2. Oi: R$ 65 bilhões (encerrada em 2022)
  3. Samarco: R$ 55 bilhões
  4. Oi: R$ 43,7 bilhões (2º pedido)
  5. Americanas: R$ 43 bilhões
  6. Sete Brasil: R$ 19 bilhões
  7. OGX: R$ 12,3 bilhões
  8. OAS: R$ 11 bilhões
  9. Grupo João Santos: R$ 11 bilhões
  10. Light: R$ 11 bilhões