Topo

Finanças pessoais


'A Mágica da Arrumação': 8 dicas para desapegar dos bens materiais e economizar

Divulgação/Efe
A japonesa Marie Kondo, autora do livro "A Arte da Arrumação" Imagem: Divulgação/Efe

2015-08-19T13:57:00

2015-08-21T16:39:31

19/08/2015 13h57Atualizada em 21/08/2015 16h39

SÃO PAULO – A maioria das pessoas acaba comprando coisas desnecessárias, sem pensar. Tanto que uma boa parte dos problemas financeiros vem desses gastos que acontecem por impulso.

“O consumismo, tendo ou não dinheiro para bancar tantas vontades, parece ser a regra. Quem compra apenas o que precisa no mundo de hoje é cada vez mais a exceção”, afirma José Vignoli, educador financeiro do portal Meu Bolso Feliz. “A verdadeira felicidade não está nos bens materiais, mas em uma vida organizada e simples, que é onde conseguimos sossego para fazer o que realmente gostamos. Por isso, adquirir bens materiais traz uma injeção rápida de alegria que se dissipa logo”.

A autora do livro “A Mágica da Arrumação”, Marie Kondo, defende que é possível ter uma vida mais simples, feliz e barata com um método de organização e desapego. Confira oito dicas.

1- Defina seu estilo de vida e objetivos

De acordo com a realidade financeira de toda sua família, é importante saber como quer e pode levar sua vida. “A organização é uma ferramenta e o objetivo principal é alcançar seu estilo de vida ideal”, diz Marie Kondo. Para isso, quando for adquirir um item novo, pense se ele fará realmente a diferença. Isso também vale para as viagens que almeja fazer e para as metas que tem em mente.

2- Dê valor às pessoas

Muitas vezes, uma reunião em casa, um bate-papo com os amigos ou um jantar com seus pais é muito mais prazeroso do que sair para comer fora ou ir às compras para se sentir mais feliz. Então, que tal promover mais encontros como esses? Dessa forma pode-se economizar e ainda descobrir novos prazeres.

3- Arrume a casa

O desafio pode ser enorme, mas vale a pena começar a praticar o desapego. Não adie a tarefa, mas fracione-a estabelecendo uma rotina e um limite, respeitando seus prazos. Por exemplo: se você pode arrumar sua casa apenas aos fins de semana, faça isso por dois meses. Primeiro, descarte tudo que não usa mais, doando ou organizando um bazar na sequência, e depois divida tudo em categorias, como roupas, livros, papéis, itens diversos (CDs, DVDs, cremes, maquiagem, suprimentos para artesanato e hobbies, produtos de limpeza, equipamentos de cozinha etc.) e recordações. Uma casa mais simples e minimalista passa uma sensação de alívio e paz.

4- Envolva quem mora com você no processo de desapego

Nunca decida pelo outro o que fica e o que vai embora. “Cuide de suas coisas e chame a família para participar da arrumação, mantendo a confiança do restante da casa”, diz Marie. Assim, cada coisa terá seu lugar e seu dono. O fato de cada item ter seu espaço definido ajuda muito a diminuir os excessos e a confusão, até porque fica mais fácil visualizá-lo e guardá-lo de novo depois.

5- Envolva a família em todos os processos que são importantes para você

Na hora do sufoco é importante conversar, e na hora das conquistas também. Por isso, sempre envolva sua família nas conversas, decisões que devem ser tomadas ou conquistas realizadas. Em conjunto, você verá que é muito mais fácil economizar para quitar uma dívida, conquistar um objetivo ou simplesmente se divertir.

6- Livre-se do que não te faz feliz

Guarde o que efetivamente usa ou te traz lembranças muito importantes como, por exemplo, fotos. Blusas, calças e papelada que não usa mais devem sair. Quem sabe doá-las ou mesmo tentar trocá-las por itens que precisa de fato? Lembre-se de, durante esse processo, refletir sobre a quantidade de coisas que possui acumulada, sobre o quanto de fato usou tais itens e, mais ainda, sobre as coisas que ficaram, as realmente importantes.

7- Guarde tudo de maneira inteligente

Segundo Marie, o ideal não é pendurar tudo, apenas os casacos pesados. O restante deve ser dobrado de forma que você sempre visualize tudo e para aproveitar mais espaço. Além disso, você pratica uma higiene mental. “Enquanto manipulo minhas roupas, sinto quanto são preciosas para mim. Aí, fico com vontade de colocá-las no lugar adequado”, diz Marie. De quebra, você ainda lembra que tem bastante coisa e não precisa comprar aquela calça que está em promoção.

8- Não gaste dinheiro à toa

Antes de sair comprando qualquer coisa – roupas, objetos para organizar a casa, móveis novos – pense se realmente aquilo será útil na sua vida. É enganoso achar que seus problemas estão resolvidos colocando tudo dentro de caixas divisórias e afins ou que aquela blusa nova vai te trazer felicidade.

Mais Finanças pessoais