ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Prévia da inflação acelera para 0,21%, mas é a menor para abril em 12 anos

Do UOL, em São Paulo

20/04/2018 09h01

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor - Amplo 15), considerado uma prévia da inflação oficial (IPCA), acelerou para 0,21% em abril, após ficar em 0,1% no mês passado. É a menor taxa para o mês em 12 anos, desde 2006, quando o índice ficou em 0,17%. 

O que você faz para driblar a crise?

Resultado parcial

Total de 24114 votos
13,11%
5,16%
56,12%
18,59%
7,02%
Total de 24114 votos

Em 12 meses, a prévia acumulada é de 2,8%. O objetivo é manter a inflação em 4,5% ao ano, mas há uma tolerância de 1,5 ponto, ou seja, pode variar entre 3% e 6%.

Os dados foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (20).

Gastos com saúde sobem

Todos os tipos de gasto ficaram mais caros na prévia da inflação, exceto os relacionados à comunicação, que caíram 0,15%, puxados pela redução nas tarifas de ligações locais e interurbanas de fixo para móvel, em vigor desde 25 de fevereiro.

Os reajustes nos preços dos planos de saúde (+1,06%) e dos remédios (+0,63%) puxaram as despesas com saúde e cuidados pessoais, item que registrou a maior alta (+0,69%) e teve o maior impacto no índice.

Em 12 meses, os gastos com saúde subiram 5,92%.

Frutas 6% mais caras

Os alimentos, que haviam ficado 0,07% mais baratos em março, subiram 0,15% neste mês.  Esse aumento foi influenciado, sobretudo, pelas frutas, que ficaram 6,07% mais caras. Outros produtos que também subiram foram o leite longa vida (4,92%) e a refeição fora de casa (0,73%).

Por outro lado, ficaram mais baratos as carnes (-1,03%), o tomate (-6,85%) e o frango (-3,23%).

Conta de luz subiu 10,2% no RJ

O aumento de 10,2% na conta de luz no Rio de Janeiro refletiu nos gastos gerais com energia elétrica no país, que subiram 1,45% no IPCA-15. Com isso, os gastos com habitação ficaram 0,26% mais caros. 

Os reajustes de 9,09% e de 21,46% nas tarifas das concessionárias do estado estão em vigor desde 15 de março.

Inflação abaixo da meta em 2017

A inflação fechou 2017 em 2,95% e ficou abaixo do limite mínimo da meta do governo pela primeira vez na história. Foi a menor inflação anual desde 1998 (1,65%).

No início deste ano, o atual presidente do banco, Ilan Goldfajn, enviou carta ao então ministro Henrique Meirelles dizendo que a meta não foi cumprida no ano passado devido à queda nos preços dos alimentos, após safras recordes. A carta é uma exigência em caso de descumprimento da meta de inflação. 

Expectativa em 2018

A expectativa de analistas consultados pelo Banco Central é que a inflação termine 2018 em 3,48%, dentro do limite da meta deste ano. 

Com o crescimento de 1% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2017, o país começa a sair do buraco, após a economia encolher 3,5% tanto em 2016 quanto em 2015. Mas a recuperação é lenta e, segundo especialistas ouvidos pelo UOL, a economia vai demorar pelo menos dois anos para chegar ao nível de antes da crise.

Juros X Inflação

Os juros são usados pelo BC para tentar controlar a inflação. De modo geral, quando a inflação está alta, o BC sobe os juros para reduzir o consumo e forçar os preços a caírem. Quando a inflação está baixa, como agora, o BC derruba os juros para estimular o consumo.

No mês passado, o Comitê de Política Monetária do BC (Banco Central) decidiu cortar a taxa de juros pela 12ª vez seguida, de 6,75% para 6,5% ao ano, menor nível da história (O Copom foi criado em 1996).

Metodologia

O IPCA-15 refere-se às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia.

A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, considerada a inflação oficial; a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

(Com Reuters)

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia