IPCA
0.75 Mar.2019
Topo

Classe média pagará juro de mercado para imóvel, disse a Caixa; veja taxas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Natalia Gómez

Colaboração para o UOL

2019-01-09T04:00:00

09/01/2019 04h00

O novo presidente da Caixa, Pedro Guimarães, causou preocupação em quem pensa em financiar a casa própria ao declarar, nesta segunda-feira (7), que a classe média deve pagar "juros de mercado" no crédito imobiliário. Nesta terça (8), ele disse que não haverá aumento de juros, mas repetiu que a classe média pagará taxas maiores que as do Minha Casa Minha Vida.

Afinal, quais as taxas de mercado atualmente? O UOL fez um levantamento dos juros cobrados nas principais linhas de financiamento imobiliário nos grandes bancos. Veja abaixo.

Banco do Brasil

  • Minha Casa Minha Vida: taxas a partir de 5,166% ao ano mais TR, para imóveis novos de até R$ 240 mil e prazo de 30 anos.
  • Aquisição PF FGTS: taxa a partir de 5,166% ao ano mais TR, para imóveis usados de até R$ 240 mil e prazo de 30 anos.
  • Pró-Cotista: taxas de 9% ao ano mais TR, para imóveis novos ou usados de até R$ 1,5 milhão e prazo de 30 anos.
  • Sistema Financeiro Habitacional (SFH): taxas a partir de 8,49% ao ano mais TR, para imóveis novos ou usados de até R$ 1,5 milhão e prazo de 35 anos.
  • Carteira Hipotecária (CH): taxas a partir de 8,85% ao ano mais TR, para imóveis novos ou usados de até R$ 10 milhões e prazo de 35 anos.

Bradesco

  • Sistema Financeiro Habitacional (SFH): taxa de 8,95% ao ano mais TR, para imóveis novos ou usados de até R$ 1,5 milhão e prazo de 30 anos.
  • Carteira Hipotecária (CH): taxa de 9,45% ao ano mais TR, para imóveis novos ou usados de R$ 1,5 milhão a R$ 5 milhões e prazo de 30 anos.

Caixa Econômica Federal

  • Minha Casa Minha Vida - faixa 1,5: taxas de 4,59% a 5,11% ao ano mais TR para imóveis novos dentro das regras do programa, com prazo de 30 anos, para famílias com renda mensal de até R$ 2.600.
  • Minha Casa Minha Vida - faixas 2 e 3: taxas de 5,11% a 8,47% ao ano mais TR para imóveis novos, aquisição de terreno e construção ou construção em terreno próprio, com prazo de 30 anos, para famílias com renda mensal de até R$ 7.000.
  • Carta de Crédito FGTS: taxas de 5,11% a 9,55% ao ano mais TR para imóveis novos ou usados, aquisição de terreno e construção ou construção em terreno próprio, com prazo de 30 anos, para famílias com renda mensal de até R$ 9.000.
  • Pró-Cotista: taxas de 8,76% a 9,01% ao ano mais TR para imóveis novos ou usados, aquisição de terreno e construção ou construção em terreno próprio, com prazo de 30 anos.
  • Sistema Financeiro Habitacional (SFH): taxas de 8,75% a 10,25% ao ano mais TR para imóveis novos ou usados, aquisição de terreno e construção ou construção em terreno próprio, de valor até R$ 1,5 milhão, e com prazo de 35 anos.
  • Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI): taxas de 9,5% a 11% ao ano mais TR para imóveis novos ou usados, aquisição de terreno e construção ou construção em terreno próprio, de valor acima de R$ 1,5 milhão, e com prazo de 35 anos.

Itaú Unibanco

  • Taxas a partir de 8,3% ao ano mais TR, variando de acordo com o perfil do cliente e do imóvel, com prazo de até 30 anos. O banco não detalhou as informações de acordo com a linha de crédito.

Santander

  • Pró-Cotista: taxas a partir de 8,49% ao ano mais TR. A linha de crédito é restrita a imóveis em construção financiados pelo banco. O banco informou que pretende ampliá-la em 2019.
  • Sistema Financeiro Habitacional (SFH): taxas de 8,99% ao ano mais TR para imóveis novos ou usados de até R$ 1,5 milhão e prazo de 35 anos.
  • Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI): taxas de 9,49% ao ano mais TR para imóveis novos ou usados acima de R$ 1,5 milhão e prazo de 35 anos.

Taxas podem variar

Os dados foram fornecidos pelas assessorias de imprensa dos bancos, a pedido da reportagem, em 8 de janeiro de 2019. As taxas estão sujeitas a mudanças e variações (os bancos oferecem taxas diferentes de acordo com o plano contratado pelo cliente e a relação entre eles).

Os requisitos para cada linha de financiamento e as condições de crédito devem ser verificados pelo cliente diretamente com o banco.

Mais Economia