IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Reforma da Previdência


Governo lança campanha na TV e aposta em redes sociais com #novaprevidencia

Do UOL, em São Paulo

21/02/2019 09h19

O governo Jair Bolsonaro lançou a campanha publicitária da nova proposta da reforma da Previdência, entregue ontem ao Congresso. Além dos comerciais na televisão, as ações investem nas postagens em redes sociais, com vídeos, textos e GIFs no Twitter e uso da hashtag #novaprevidencia. 

"A #novaprevidência vai acabar com os privilégios e será para todos", diz o governo em um post. "Além de garantir a aposentadoria para as futuras gerações, a #novaprevidência vai equilibrar a economia brasileira e fazer com que os recursos sejam utilizados em áreas prioritárias, como Saúde, Segurança, Educação e programas sociais", afirma em outra publicação. 

Na noite de ontem, em rede nacional de rádio e televisão, o presidente afirmou que a proposta de reforma da Previdência enviada para o Congresso tem o objetivo de equilibrar as contas do governo, evitar a quebra do sistema e combater privilégios existentes no sistema atual de aposentadoria. 

"Queremos garantir que hoje e sempre todos receberão seus benefícios em dia", disse. Bolsonaro também destacou que a "Nova Previdência", como o governo está chamando a reforma, será mais justa, sem discriminação entre classes sociais. "A Previdência será justa para todos, sem privilégios."

Idade mínima e regras mais duras

A proposta de reforma da Previdência determina idade mínima para aposentadoria de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens. O tempo mínimo de contribuição passa de 15 para 20 anos. A proposta também acaba com as aposentadorias por tempo de contribuição, após um período de transição.

Há um endurecimento na concessão de benefícios assistenciais e aumento na alíquota de contribuição previdenciária por diferentes faixas salariais. Quem ganha mais pagará mais: a alíquota de contribuição subiu de 11% para 11,68% nos salários mais altos.

As alíquotas foram unificadas para funcionários públicos e privados. Viúvos e órfãos vão ganhar menos pensões (cai de 100% para 60% com um dependente). A idade mínima para funcionários públicos e privados foi igualada. A proposta ainda precisa ser aprovada na Câmara e no Senado para começar a valer.

Mais Reforma da Previdência