IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Governo anuncia nesta quarta lista de 17 empresas que serão privatizadas

O ministro Paulo Guedes - Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
O ministro Paulo Guedes Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Talita Marchao

Do UOL, em São Paulo

20/08/2019 22h22Atualizada em 21/08/2019 10h32

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve anunciar nesta quarta-feira a lista com as 17 empresas que serão privatizadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. A declaração foi dada pelo economista durante evento na terça-feira com uma plateia de empresários em São Paulo.

"Nós vamos acelerar as privatizações. Amanhã saem as 17 empresas, e ano que vem tem mais. E nós achamos que vamos surpreender. Tem gente grande aí que acha que não vai ser privatizado, mas vai entrar na faca", disse Guedes, sem citar quais empresas devem fazer parte da lista.

Guedes citou a fusão da Embraer com a Boeing como exemplo de sucesso. "Seria extraordinário se a gente conseguisse fazer a fusão de uma, duas ou três grandes empresas brasileiras", afirmou o ministro.

Semana passada, em evento no Rio ao lado do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, Guedes falou em privatizar Correios e Eletrobras, mas disse que não duvidava de que o governo pudesse incluir "coisas maiores".

"Estamos começando devagar nas privatizações, mas já sabemos que vamos privatizar os Correios, vamos privatizar a Eletrobras. Eu não duvido que a gente vai privatizar algumas coisas maiores, viu Castello?", disse o ministro, dando a entender que a empresa também poderia entrar na lista de privatizações - o que negou em seguida.

No mesmo dia, Guedes disse em outro evento que o governo pretende acelerar as privatizações e destacou que o apoio de Bolsonaro ao programa está aumentando. "Meu trabalho é tentar vender todas as estatais", afirmou.

CPMF "pequenininho não machuca"

Em seu discurso, Guedes defendeu a recriação de um imposto sobre transações bancárias nos moldes da CPFM como um dos pilares da reforma tributária. De acordo com o ministro, se o imposto for "pequenininho, não machuca".

Segundo o ele, o imposto sobre transações "baixinho e que funciona" é uma forma de arrecadar dinheiro de forma mais rápida. "Entre um imposto horroroso, muito feio, e a opção por desoneração da folha, prefiro abraçar o feioso a ficar com a oneração da folha do jeito que é hoje", disse o ministro, afirmando que esta é uma escolha da sociedade.

Antes do discurso do ministro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, voltou a criticar uma possível volta da CPFM, ressaltando que Bolsonaro também é contra.

"As pessoas, quando vão propor as coisas, não estudam a história de quem está comandando os poderes do Brasil. Em 2007, como presidente nacional do DEM, derrubamos a CPMF. Aí, o presidente da República vai e diz que é contra também. Resolveu o meu problema, não preciso mais brigar com ninguém", disse Maia.

Bolsonaro e ministro se contradizem sobre privatizar Correios

UOL Notícias

Economia