Mais informação com menos tempo de leitura
IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Reforma Tributária


Reforma tributária do Senado propõe unificar e substituir 9 impostos por 2

Roberto Rocha, relator da proposta de reforma tributária no Senado - Marcos Oliveira/Ag. Senado
Roberto Rocha, relator da proposta de reforma tributária no Senado Imagem: Marcos Oliveira/Ag. Senado

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

18/09/2019 11h41

O relator da reforma tributária na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal, Roberto Rocha (PSDB-MA), apresentou hoje seu parecer com a substituição de nove impostos por dois, chamados de IBS (Imposto sobre Operações com Bens e Serviços). Depois da apresentação, a sessão foi suspensa pela presidente da comissão, Simone Tebet (MDB-MS).

A proposta do Senado é de autoria do ex-deputado Luiz Carlos Hauly. Existe outra em tramitação na Câmara, que propõe a substituição de vários impostos por um só, chamado de IVA (Imposto sobre Valor Agregado). Além disso, o governo está prometendo há meses apresentar sua própria reforma tributária. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje que ela está pronta.

Na semana passada, o então secretário especial de Receita Federal, Marcos Cintra, foi exonerado após insistir na criação de um imposto sobre movimentação financeiras, nos moldes da extinta CPMF. A ideia também é defendida por Guedes.

No relatório apresentado hoje no Senado, Rocha resolveu desmembrar o imposto único em dois.

O primeiro IBS seria a junção de sete tributos federais:

  • IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados)
  • Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social)
  • PIS (Programa Integração Social)
  • Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público)
  • IOF (Imposto sobre Operações Financeiras)
  • Salário-educação
  • Cide Combustíveis (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

O segundo IBS fundiria outros dois tributos:

  • ISS (Imposto Sobre Serviços)
  • ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Segundo o relator, as alíquotas desse último imposto seriam definidas por lei complementar, mas a gestão e a administração ficariam a cargo de um conselho composto por membros indicados por estados e municípios, inclusive com representantes dos contribuintes.

Mudança na proposta após conversa com governo

A criação de dois IBS, afirmou o relator, ocorreu após ele conversar com representantes dos estados e do governo. Segundo ele, a proposta original previa a fusão de nove impostos e contribuições em um único imposto.

"Ainda que a lei complementar que venha a tratar do IBS seja de iniciativa restrita, reservando boa participação aos estados e municípios, e que sua aprovação dependa da chancela do Senado, que representa a Federação, é inegável que estaremos tirando daqueles entes a competência para tratar, com autonomia, dos seus principais instrumentos de arrecadação", disse.

O relator ainda afirmou que a proposta não prevê aumento nem redução da carga tributária.

Haverá um processo de transição para a criação do IBS, que levará até 10 anos para ser concluído.

Tebet afirmou que o relator deve apresentar em 2 de outubro um parecer sobre as emendas que serão feitas ao relatório. Segundo ela, é possível votar o texto no mesmo dia, mas isso dependerá de acordo entre líderes partidários.

O que é preciso para os juros caírem de verdade no Brasil?

UOL Notícias

Mais Reforma Tributária