PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

"Se dei um golpe, sou o golpista mais burro do mundo", diz 'rei do bitcoin'

Claudio Oliveira, rei do Bitcoin - Divulgação
Claudio Oliveira, rei do Bitcoin Imagem: Divulgação

Lucas Gabriel Marins

Colaboração para o UOL, em São Paulo

09/03/2020 04h00

O Grupo Bitcoin Banco deve R$ 500 milhões a quase 6.500 investidores e está no meio de um processo de recuperação judicial. O cenário aparentemente não intimida o controlador do conglomerado, o empresário Claudio Oliveira, conhecido como "rei do bitcoin".

Em uma entrevista exclusiva concedida à reportagem do UOL na última quinta-feira (5), na sede da empresa, em Curitiba (PR), Oliveira falou sobre o lançamento de novas plataformas de negociação de criptomoedas do grupo e disse acreditar na retomada do negócio.

Trabalho todo dia para isso, até sábado e domingo. Quero que as pessoas falem: 'olha, o Grupo Bitcoin Banco passou por problemas, mas pagou todo mundo e hoje é seguro investir lá.
Claudio Oliveira, conhecido como 'rei do bitcoin'

Para aqueles que chamam o conglomerado de pirâmide financeira ou fraude, o empresário —que está com parte dos bens bloqueados pela Justiça— deixa um recado.

Se eu for golpista, acho que sou o golpista mais burro do mundo, pois não fugi e ainda chamei a Justiça para vir ver meu golpe.
Claudio Oliveira, conhecido como 'rei do bitcoin'

Veja abaixo trechos da entrevista concedida ao UOL.

UOL - A justiça suspendeu a recuperação judicial da empresa em fevereiro. Quando o processo deve retornar?

Claudio Oliveira - A suspensão da recuperação judicial foi pedida por um cliente. Um só, no âmbito de todos. Essa suspensão, portanto, é técnica. Já reunimos os documentos que foram pedidos nessa etapa e eles já estão nas mãos do desembargador que cuida do caso. Agora, temos que aguardar a deliberação para que o processo seja retomado.

A empresa deve R$ 500 milhões aos credores, segundo lista da EXM, empresa responsável pela recuperação. Como pretende levantar esse dinheiro e em quanto tempo?

Nós vamos apresentar no plano de recuperação judicial. Nesse documento, iremos apresentar algumas auditorias que vão expor os valores corretos das pessoas. Veja bem. Uma coisa temos que botar na cabeça. Há casos e casos. Exemplo: tem gente que diz que tem R$ 10 mil investidos, mas teria R$ 60 mil por causa do lucro. Há casos assim. Então, na recuperação judicial não é calculado o que você poderia ganhar, mas sim o que você investiu e o que você tem.

Ou seja: a pessoa que fez lucro não vai receber esse rendimento?

Não temos como dizer se vai receber ou não. Isso é a administração judicial, e o plano de recuperação judicial que vai dizer. É uma negociação. Vamos dizer: 'olha, te devo x, mas posso te pagar em três vezes, 100 vezes etc.' Isso é uma negociação. Queremos chegar aos valores exatos que vão satisfazer tanto o cliente como a empresa.

Muitos investidores fizeram lucros surreais na plataforma, de até 1.000% em três meses. Quer dizer que não vão receber nada disso?

Aí é que está. E se essa pessoa duplicou... quatro, cinco vezes o saldo dela? É isso que a recuperação judicial está fazendo, corrigindo isso, caso a caso.

Quer dizer que a culpa foi da pessoa, e não da plataforma?

Não, não quer dizer nem que a pessoa tenha má-fé. De repente, ela não tinha experiência com o mercado, estava fazendo 'trading', aí girou R$ 1.000 e apareceram R$ 2.000, aí girou R$ 3.000 e apareceram R$ 6.000. Pode acontecer.

Então, não foi a pessoa que duplicou, foi o sistema?

Não estou dizendo que seja, estou dizendo que pode acontecer. Hoje temos auditoria da recuperação judicial analisando caso a caso, e saldo a saldo. Uma coisa é certa, ninguém vai sair lesado. Pode ter certeza. No mínimo, a pessoa vai receber o que ela investiu.

Daqui a quanto tempo as pessoas vão receber? Quantos investidores estão com dinheiro preso na plataforma? Quais serão os critérios para o recebimento?

O tempo é só o plano de recuperação que vai dizer. É algo que foge um pouco do meu braço, porque envolve administrador judicial, empresa de auditoria, e envolve clientes. Já o número de investidores com recursos presos é o que diz a lista de credores. São 6.445. Já sobre os critérios, eu não tenho como falar, pois é uma questão de Justiça e não posso entrar nisso. Deus o livre.

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) proibiu o Grupo Bitcoin Banco de ofertar contratos de investimento coletivo. Como está essa situação?

A situação está sendo tratada direto com a CVM e é bem explícita. A CVM não proibiu o grupo de trabalhar; ela proibiu a empresa de ofertar contratos de investimento coletivo. Mediante isso, nos apresentamos à CVM e tudo que eles pediram a gente acatou. Agora, estamos criando uma nova fórmula de trabalho e vamos apresentar a eles se está correto. Se eles disserem que sim, daremos continuidade.

Como a empresa vai se reerguer?

Relançando o negócio, como é o caso das nossas novas plataformas.

Quais as novidades dessas novas plataformas?

A primeira novidade é que, além da Negocie Coins e da Tem Btc [corretoras de criptomoedas do grupo], nós acrescentamos mais uma 'exchange', que é a Zater.

O cliente abre sua conta na Zater, faz um depósito e pode fazer 'trading' nas outras plataformas. As taxas da Tem Btc são de 0,3% para compra e 0,5% para venda. Já na Negocie Coins, a taxa da venda [que só pode vir da Tem Btc] é zero e a de compra é de 0,5%.

Depois que a pessoa brincou na plataforma, ela vai sacar via Zater. Essas transações de saque custam 1,5% e é nessa taxa que está nosso ganho. Sempre uma plataforma vai ter um preço e a outra vai ter outro preço, conforme a variação do mercado. É o cliente que decide isso.

Então, a pessoa vai poder continuar fazendo a tal da "arbitragem infinita"?

No modelo anterior do negócio, era possível fazer transferência de uma corretora para outra do grupo a cada 45 minutos, o que foi chamado de arbitragem infinita pelos investidores. Uma delas sempre tinha o preço maior. Investidores acusam o Grupo Bitcoin Banco de inflar os números.

Qualquer arbitragem é infinita. O Forex (Foreign Exchange) é o quê? É comprar em um momento da alta e vender num momento da baixa. E isso é o dia inteiro. O bitcoin é a moeda de mais volatilidade do mundo. Em coisa de segundos ela muda de preço. Então, se o pessoal estiver comprando e vendendo, vai arbitrar o dia inteiro. O resto da vida vai comprar e vender. Então, eu não criei a arbitragem infinita. Não existe isso. É folclore do mercado.

No nosso novo sistema, vai ser possível fazer transferência entre corretoras em 60 minutos. Por que esse período? Porque passamos por um sistema de controle maior ainda para evitar qualquer tipo de duplicação, qualquer tipo de problema indevidamente creditado em outra conta.

Mais alguma novidade?

A outra novidade é que aperfeiçoamos a FortKnox [plataforma que permite a transferência de uma exchange para outra], o que chamamos de FortKnox 2.0. Corrigimos erros, falhas e tudo que tinha de errado na versão anterior.

Mas esse sistema foi supostamente hackeado no passado e gerou toda a crise na empresa. Qual a garantia de que esse novo é seguro?

Isso é um mito e uma fantasia. Não foi o FortKnox que foi hackeado, mas o código onde roda a plataforma. São coisas diferentes. Havia uma brecha que permitia fazer a mesma operação ao mesmo tempo em dois computadores diferentes, e isso gerava duplicação. Essa outra plataforma, no entanto, é diferente da FortKnox.

A FortKnox usa um código separado que é inviolável. Por que ele é inviolável? Porque tem todo o sistema de segurança que criamos para isso. Todo o novo sistema é seguro também porque, quando o cliente entra na corretora Zater e deposita em real, esse real é convertido em Zatercoin (ZTC), que é uma nova criptomoeda interna criada pela empresa.

Não é uma moeda de comércio e não é para sair das corretoras nem nada. É uma moeda de movimentação dentro da exchange. Como é uma moeda interna, por que alguém vai querer roubar essa criptomoeda? Vai levar para onde? Não tem nem como ela sair da plataforma. Isso também gera segurança.

Você teve bens bloqueados e passaporte apreendido pela justiça. Qual sua situação no momento?

Eu não me importo em ter os bens bloqueados. Só se importaria quem não tem intenção de pagar ou quem tem intenção de fugir. Nunca tive. Essa história que eu iria viajar para Suíça nunca houve. Eu não cogito sair de férias porque eu tenho que resolver o problema do grupo.

Esse é meu foco. Não tenho foco de viajar de férias ou sair do país. Portais e advogados criam essas situações. Primeiro, porque geram cliques e, segundo, porque advogados vão ganhando certa credibilidade com clientes.

Nunca nem me interessei nem sei quais os procedimentos para desbloquear bens. O que me interessa é regularizar a minha situação com os clientes. Depois vêm os bens. Isso é o que menos me preocupa.

Você acha importante a regulação do mercado de criptomoedas?

Regulamentação da criptomoeda é algo que não existe. Não dá para existir regulação porque as criptomoedas são como um email e podem estar em qualquer lugar do mundo. Para que essa regulamentação seja válida e mantenha a criptomoeda como uma moeda sem fronteira, ela teria que ter a mesma regulamentação no mundo inteiro.

Hoje eu acho e sou muito a favor é da regulamentação das empresas que trabalham com bitcoins e criptomoedas. Isso porque, no momento em que você deposita real em uma conta da minha empresa para comprar bitcoin, naquele momento exato eu sou um "custodiante" do seu dinheiro e responsável por ele.

Sendo assim, estou supostamente exposto às normas e às regras do mercado financeiro. Então, hoje, se a exchange que trabalha com criptomoedas fosse regulamentada pela CVM e pelo BC [Banco Centra], por exemplo, nós teríamos uma supervisão muito maior em cima do bitcoin.

Dessa forma, o bitcoin continuaria sem fronteiras, mas a empresa que está custodiando não. Ela teria que entregar relatórios trimestrais para a CVM, por exemplo, e teria uma empresa de auditoria controlando cada passo do negócio, impedindo que se faça alguma jogada ou, até mesmo, um erro de administração. Teria governo, CVM, BC e todo mundo em cima.

No problema todo que enfrentei, se tivesse apoio da CVM, se tivesse apoio do BC, não teria chegado a esse ponto em que estou. Teria outras formas de contornar, como um banco, como uma casa de custódia ou uma empresa de investimentos tem. Então, uma regulamentação não seria só para te controlar, mas para suportar também.

Muitos dizem que o Grupo Bitcoin é um grande golpe. O que tem a dizer a eles?

Tenho a dizer que, pelo que eu saiba, golpe você dá e foge. Porque se eu for golpista, eu acho que sou o golpista mais burro do mundo, pois dei golpe, não fugi e ainda chamei a Justiça para vir ver meu golpe.

Aí é um pouco absurdo. Acho que as pessoas que falam que é o maior golpe estão desinformadas na questão de saber que não fui embora, continuo trabalhando todos os dias, tenho residência fixa, tenho família e chamei a Justiça para dentro de casa para que eu possa retomar meu negócio, trabalhar e saldar minhas obrigações.

Alguma mensagem para os clientes?

Essa mensagem eu transmito todos os dias, mas não é compreendida. A mensagem é que eu chego todo dia na empresa às 7 horas e saio às 7 horas da noite. Não saio para almoçar, ninguém me vê em festas, em balada, em nada. Eu trabalho o dia inteiro para solucionar o problema dos clientes e colocar a empresa para funcionar.

Além de ganhar dinheiro —não sou hipócrita para falar que não gosto de ganhar dinheiro—, eu quero ter algo que seja significativo dentro do mercado, para que as pessoas possam dizer: 'Nossa, o Grupo Bitcoin Banco passou por problemas, pagou todo mundo e hoje é seguro, posso fazer aplicações lá e, inclusive, eles são regulamentados pela CVM'. Esse é o meu objetivo.

Então, mostro isso no dia a dia, sempre. Eu nunca fiquei um dia sem vir ao escritório, com oficial ou sem oficial de justiça aqui.

Sempre trabalhei e não me contaminei com o problema. Por isso, tenho vários advogados, tenho pessoas, tenho porta-vozes e tudo mais, porque foquei simplesmente em solucionar o problema do funcionamento da empresa e encontrar uma solução comercial para que a coisa volte a andar, como deve ser.

Esse é meu recado: sou uma pessoa que trabalha muito. Todos os dias estou aqui, até sábado e domingo também.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

PUBLICIDADE