PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Conflitos de Bolsonaro tiveram parte de culpa no resultado do PIB, diz Maia

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia - ADRIANO MACHADO
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia Imagem: ADRIANO MACHADO

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

10/03/2020 17h25

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que parte do resultado do PIB (Produto Interno Bruto), de 1,1%, tem culpa dos conflitos do governo Jair Bolsonaro (sem partido).

Em meio às tensões provadas pelo presidente da República, ele considerou que se o Parlamento entrar em conflito com Bolsonaro ajudará a levar o país a uma recessão.

Ao chegar à Câmara, foi questionado por jornalistas sobre as declarações de Bolsonaro, de que ele tem prova de fraudes nas eleições do ano passado. Maia rebateu e disse que o TSE já respondeu: "vamos ao que interessa, vamos tratar do que é urgente para o brasileiro".

"Dos 2,5% [expectativa inicial do PIB], esse 1,5% que perdemos uma parte disso tem relação com o meio-ambiente, na falta de harmonia entre os poderes. Isso sem dúvida nenhuma acontece", declarou Maia.

O presidente da Câmara ponderou que o sistema tributário e a infraestrutura do país é de "péssima qualidade", mas que os conflitos entre os Poderes tiveram influência no resultado econômico.

"Temos que cuidar dos 52 milhões de brasileiros que vivem com 5 dólares por dia (...) Nós não podemos jogar lenha nessa fogueira. Lenha nessa fogueira vai colocar mais brasileiros na pobreza, vai tirar mais crianças das escolas e vai gerar mais brasileiros trabalhando em subempregos, sem carteira assinada".

Maia disse que se o Parlamento deve ter "paciência" e "equilíbrio", assim como teve durante a tramitação da Previdência, ano passado.

"As dúvidas do governo em relação ao Parlamento no ano passado, os conflitos que se mantêm, infelizmente, este ano. É óbvio que esses conflitos, para quem vai investir a médio e longo prazo, geram insegurança. E certamente tiveram parte de culpa na queda da projeção do investimento, no resultado final do investimento", declarou Maia.

PUBLICIDADE