Bolsas

Câmbio

Reforma da Previdência

Governo segue comprometido com agenda de reformas, diz Fazenda após rebaixamento pela Fitch

BRASÍLIA (Reuters) - O governo segue comprometido em progredir com a agenda de reformas macro e microeconômicas destinadas a garantir o equilíbrio das contas públicas, afirmou nesta sexta-feira (23) o ministério da Fazenda após o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência de classificação de risco Fitch.

Em nota, o ministério apontou que a Fitch, ao fazer o rebaixamento, reconheceu "que os fundamentos macroeconômicos brasileiros permitem tanto absorver choques internacionais e domésticos como garantir a sustentabilidade da dívida pública".

Ao rebaixar a nota do Brasil para "BB-" com perspectiva estável, sobre "BB" com perspectiva negativa, a Fitch citou a situação fiscal do país e o que chamou de "importante retrocesso" na agenda de reformas após o governo do presidente Michel Temer ter desistido de votar a reforma da Previdência.

O ministério da Fazenda ponderou que a dívida pública federal conta com composição saudável atualmente, sendo que a baixa exposição cambial, baixa concentração de vencimentos no curto prazo e base diversificada de investidores "contribui para mitigar os riscos inerentes à sua gestão".

A Fazenda, contudo, não fez nenhuma menção direta à reforma Previdência em sua nota.

Com a decisão da Fitch, o Brasil fica ainda mais longe do chamado "grau de investimento", que classifica os países como bons pagadores e, consequentemente, ajuda a ter menores custos para tomada de empréstimos.

Segundo rebaixamento

Esta foi a segunda grande agência a rebaixar a nota brasileira após os reveses com a reforma da Previdência.

Em janeiro, a Standard & Poor's foi pelo mesmo caminho após o governo decidir postergar a apreciação da proposta de dezembro do ano passado para depois do Carnaval.

No início dessa semana, o governo jogou definitivamente a toalha sobre a reforma previdenciária depois de decretada a intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro, medida que, enquanto durar, inviabiliza a apreciação de emendas à Constituição no Congresso Nacional.

Para tentar amenizar, o governo apresentou um conjunto de 15 medidas econômicas consideradas prioritárias, boa parte delas já em tramitação no Congresso, com algumas enfrentando franca resistência dos parlamentares.

Ao comentar o naufrágio da reforma nesta semana, a Moody's, que ainda não rebaixou a nota de crédito brasileira, já apontou que a desistência é ruim para a classificação de risco do país porque limitará a capacidade de cumprir a regra do teto de gastos nos próximos anos.

  

Temer pede apoio da população para aprovar reforma da Previdência

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos