ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 1.Ago.2018
Topo

Agência reduz nota do Brasil e deixa país mais longe de ser 'bom pagador'

Do UOL, em São Paulo

23/02/2018 13h03Atualizada em 23/02/2018 16h54

A agência de classificação de risco Fitch reduziu, nesta sexta-feira (23), a nota de crédito do Brasil de "BB" para "BB-", com perspectiva estável. Com isso, o país fica ainda mais longe do chamado grau de investimento, uma espécie de "selo de bom pagador".

É o segundo corte da nota brasileira por uma agência neste ano. Em janeiro, a Standard & Poor's também rebaixou a classificação do país, de "BB" para "BB-".

A primeira agência a tirar o grau de investimento do Brasil foi a S&P, em setembro de 2015. Desde então, as principais agências (Fitch, Moody's e S&P) fizeram sucessivos cortes na nota do país. 

Leia também:

Desistência da reforma foi gota d'água

Em comunicado, a Fitch afirmou que o rebaixamento do Brasil reflete "persistentes e grandes deficits fiscais, além da crescente e elevada dívida pública". A gota d'água foi a desistência do governo de prosseguir com a reforma da Previdência neste momento, o que foi classificado pela agência como "grande retrocesso na agenda de reformas".

Na segunda-feira (19), o governo jogou a toalha sobre a votação da reforma e apresentou um conjunto de medidas, boa parte já em tramitação no Congresso. Apesar de esperada, a desistência oficializou o adiamento da reforma, que é vista pelo mercado como fundamental para equilibrar as contas públicas. Na terça-feira (20), a Fitch havia dado sinais de que o rebaixamento estava por vir

Governo segue comprometido, diz Fazenda

Logo após o rebaixamento da nota, o ministério da Fazenda afirmou, em nota, que o governo segue comprometido em progredir com a agenda de reformas macro e microeconômicas destinadas a garantir o equilíbrio das contas públicas

O ministério apontou que a Fitch, ao reduzir a nota brasileira, reconheceu "que os fundamentos macroeconômicos brasileiros permitem tanto absorver choques internacionais e domésticos como garantir a sustentabilidade da dívida pública".

A Fazenda, contudo, não fez nenhuma menção direta à reforma Previdência em sua nota.

Nota indica risco de calote 

Um governo ou empresa consegue dinheiro vendendo títulos no mercado. Os investidores compram papéis com a promessa de receberem o dinheiro de volta no futuro com juros. Quando um governo ou empresa tem avaliação ruim, considera-se que há risco de dar um calote e não pagar esses investidores. 

Se houver desconfiança sobre essa devolução, fica difícil conseguir vender esses títulos, e é preciso pagar mais juros aos investidores para compensar o risco maior. O rating, ou classificação de risco, indica aos investidores se um país, empresa ou negócio é considerado um bom pagador ou não.

O chamado grau de investimento, por exemplo, indica que tem baixo risco de dar calote, e que as aplicações financeiras feitas por investidores estrangeiros nesse país ou empresa terão risco próximo a zero.

 

Agências falharam na crise de 2008/2009

classificação das agências de risco é um instrumento relevante para o mercado, uma vez que fornece aos potenciais credores uma opinião supostamente independente a respeito do risco de calote de países, empresas e negócios.

Porém, as agências foram muito criticadas por terem falhado na crise global de 2008/2009. Elas deram boas notas para operações de vendas de hipotecas imobiliárias nos EUA que afundaram bancos e investidores e geraram a grande crise financeira.

(Com agências)

O que o PIB tem a ver com a sua vida?

UOL Notícias
A agência de classificação de risco Fitch reduziu, nesta sexta-feira (23), a nota de crédito do Brasil de \"BB\" para \"BB-\", com perspectiva estável. Com isso, o país fica ainda mais longe","image":{"sizes":{"personalizado":"","original":"142x100"},"height":100,"width":142,"crops":"80x80;142x100;150x100;142x200;300x100;200x285;200x300;300x200;300x300;615x300;615x470;956x500;1024x768;1920x540;1920x1080;1920x1201","src":"http://conteudo.imguol.com.br/89/2016/05/07/agencia-fitch-1462620285945_142x100.jpg","type":"","titulo":"","credito":"Divulgação"},"date":"23/02/2018 16h54","kicker":"do UOL"}}' cp-area='{"xs-sm":"49.88px","md-lg":"33.88px"}' config-name="economia/economia">

Mais Economia