PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Mourão elogia futuro presidente da Petrobras e reitera que núcleo da estatal não será privatizado

19/11/2018 14h51

BRASÍLIA, 19 Nov (Reuters) - O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, elogiou a escolha do novo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e voltou a dizer, nesta segunda-feira (19), que o núcleo duro da estatal não deve ser privatizando, fazendo a ressalva de que áreas como refino e distribuição podem ser negociadas.

Em falou a jornalistas na entrada do gabinete de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro, Mourão também disse que está em estudo a transferência de algumas atribuições da Casa Civil para a Vice-Presidência da República no futuro governo.

Leia também:

Mourão elogiou Castello Branco, embora tenha trocado o primeiro nome do economista para Gil. "Acho um nome extremamente competente, o Gil Castello Branco, excelente, e vai manter essa gestão de recuperação que a empresa está passando", disse Mourão a jornalistas.

Provavelmente, a confusão se deu por conta do secretário-geral da Associação Contas Abertas e economista, este sim, Gil Castello Branco. Sua instituição analisa e acompanha a execução orçamentária da União.

Mais cedo, o economista Roberto Castello Branco aceitou convite da equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro para comandar a Petrobras, informou a assessoria do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. 

Perguntado sobre os planos de privatização envolvendo a estatal de petróleo, Mourão afirmou que o núcleo duro da empresa será preservado. "O núcleo duro da Petrobras, prospecção, onde está inteligência e conhecimento, isso não vai ser privatizado. Agora, podemos negociar distribuição e refino, isso pode ser negociado."

Mourão já havia falado em privatizar a BR Distribuidora, mais cedo neste mês, em videoconferência com investidores.

Perguntado se algumas atribuições da Casa Civil poderiam migrar para a Vice-Presidência, o general da reserva disse que o caso ainda está em discussão, mas que a medida pode ser adotada para evitar que o futuro ministro da Casa Civil e coordenador da transição, Onyx Lorenzoni, fique sobrecarregado.

"É um estudo, uma vez que as atribuições do ministro Onyx são bem amplas. Se houver concordância de todos, a gente pode organizar isso de uma forma que seja mais eficiente e eficaz para o governo", completou Mourão.