IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Reforma da Previdência


Governo estima 170 mil postos de trabalho a mais em 2019 com aprovação da reforma da Previdência

Marcela Ayres

15/04/2019 13h49

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Economia projetou hoje que o país pode ter 170 mil postos de trabalho a mais em 2019 caso a reforma da Previdência seja aprovada tal qual enviada pelo governo, número que crescerá ano a ano até chegar a 2,9 milhões de postos adicionais em 2021.

Nesse cenário, o país começaria 2022, último ano do mandato do presidente Jair Bolsonaro, com um acumulado de 4,3 milhões de empregos formais a mais, apontou a Economia.

Os cálculos, feitos pela subsecretaria de Macroeconomia da pasta, levaram em conta os dados coletados pelo boletim Prisma Fiscal sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) com e sem a reforma previdenciária.

Na visão dos economistas consultados pelo ministério, o crescimento econômico irá acelerar a 2,1% neste ano com a reforma, ante expectativa básica de 1,95%, percentual que considera a aprovação parcial do texto. Sem a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que muda as regras para aposentadoria, a elevação será de apenas 1%.

Segundo o subsecretário de Política Fiscal da Secretaria de Política Econômica (SPE), Marco Antônio Cavalcanti, todos os analistas que responderam ao questionário acreditam numa aprovação da PEC ainda neste ano.

"A análise dos números que enviaram indica, também, que quanto maior a potência fiscal alcançada maior será o crescimento da economia", afirmou ele, em nota publicada pelo ministério.

Com a proposta chancelada na íntegra pelo Congresso, a expectativa é de um avanço do PIB de 3,5% em 2020, 3,45% em 2021 e 3% em 2022, mostrou o Prisma.

Com a aprovação parcial, os percentuais são de 2,8% em 2020, 2,7% em 2021 e 2,5% em 2022.

Já sem a PEC, a expectativa é de expansão do PIB de 0,5% em 2020, 0,75% em 2021 e 1% em 2022.

Os números contrastam com os divulgados anteriormente pela SPE, com resultados mais drásticos.

Numa análise interna, que não levou em conta as premissas de mercado, a SPE divulgou em fevereiro esperar um crescimento do PIB de apenas 0,8% em 2019 sem a reforma, com a atividade entrando em recessão a partir do segundo semestre de 2020.

Reforma da Previdência