PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

Voos cancelados pelo coronavírus: a situação de aéreas que voam no Brasil

Passageiros e funcionários usam máscaras de proteção no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos - Zanone Fraissat/Folhapress
Passageiros e funcionários usam máscaras de proteção no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos Imagem: Zanone Fraissat/Folhapress

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

16/03/2020 20h42

A pandemia de coronavírus fez as companhias aéreas reduzirem drasticamente seus voos no Brasil. Algumas empresas estrangeiras simplesmente deixarão de voar para o país, como é o caso da American Airlines, enquanto outras suspenderam voos ou adiaram o início das operações brasileiras.

A crise causada pelo coronavírus é vista pelo mercado como a mais grave da aviação. Além do temor dos passageiros em viajar em tempos de pandemia, muitos países fecharam suas fronteiras. É o caso do Chile e da Argentina. Apenas cidadãos desses países podem viajar.

"Decidimos fechar todas as fronteiras terrestres, marítimas e aéreas de nosso país para o trânsito de estrangeiros. Isso não afetará a entrada e saída de cargas", disse o presidente chileno, Sebastian Piñera, anunciando a medida que começará a vigorar a partir desta quarta-feira.

O cancelamento de voos tem afetado o mundo inteiro e muitas companhias aéreas têm orientado a só viajar se estiverem voltando para casa. Para viagens de lazer, a recomendação é que elas sejam adiadas.

Veja a situação das companhias aéreas que operam no Brasil:

Latam

O grupo Latam cortou cerca de 70% de todos os seus voos. A medida afetou 90% dos voos internacionais e 40% das operações domésticas. Os passageiros com voos afetados e com partidas programadas a partir de hoje podem reprogramar seus bilhetes até 31 de dezembro, sem nenhum custo adicional.

"Tomamos essa decisão complexa devido à impossibilidade de voar para grande parte de nossos destinos devido ao fechamento de fronteiras. Se as restrições de viagens sem precedentes forem estendidas nos próximos dias, não descartamos sermos forçados a reduzir ainda mais nossas operações", disse Roberto Alvo, atual vice-presidente de negócios e próximo CEO.

Azul

A Azul cancelou a partir desta segunda-feira (16) todos os voos internacionais, exceto os que partem de Campinas (SP). Ainda assim, a empresa já havia anunciado anteriormente a suspensão da rota Campinas ao Porto (Portugal) e o adiamento do início das operações do voo entre Campinas e Nova York (EUA).

Segundo a empresa, haverá uma redução na capacidade consolidada de 20% a 25% no mês de março, e entre 35% a 50% em abril e meses seguintes, até que a situação se normalize.

A partir da semana que vem, a Azul vai suspender até 30 de junho as operações em 11 cidades: Bariloche (Argentina), Lages (SC), Pato Branco (PR), Toledo (PR), Ponta Grossa (PR), Guarapuava (PR), Araxá (MG), Valença (BA), Feira de Santana (BA), Paulo Afonso (BA), Parnaíba (PI).

Gol

Em comunicado ao mercado, a Gol afirmou que reduzirá sua capacidade total em aproximadamente 60% a 70% até meados de junho, sendo uma redução de 50% a 60% no mercado doméstico e uma redução de 90% a 95% no mercado internacional.

Apesar do corte drástico de voos, a companhia afirmou que não deixará de voar para nenhum destino doméstico. "Ajustar nossos voos para refletir a mudança na demanda dos clientes é sensato, prudente e consistente com nosso posicionamento de líder de mercado", afirmou Eduardo Bernardes, vice-presidente de vendas e marketing da Gol.

Para o futuro, a Gol afirmou que mantém seus planos de negócios para médio e longo prazos. "Vários cenários foram analisados e gatilhos específicos definidos para executar outras ações. A GOL está pronta para ajustar sua oferta de voos de maneira ágil e racional, até que os níveis de demanda de Clientes voltem à normalidade", afirmou a empresa.

Voepass

A companhia aérea regional, antiga Passaredo, afirmou que, diante da drástica queda no número de passageiros, reduziu a oferta de voos, mas sem citar as rotas ou quantidade de voos. "Aos passageiros que tiveram seus voos cancelados, estamos trabalhando para acomodá-los dentro da oferta dos voos operados pela Voepass e pelas empresas congêneres e também flexibilizando as regras tarifárias, permitindo sem qualquer penalidade ou prejuízo, a opção pela remarcação em data futura", afirmou a empresa.

Além disso, a Voepass afirmou que para os passageiros que já compraram seus bilhetes para voar nos próximos dias, mas querem evitar suas viagens por conta da pandemia, a empresa flexibilizou as regras tarifárias, deixando de cobrar multas pela remarcação dos seus bilhetes e permitindo a utilização futura dos bilhetes sem qualquer penalidade.

Air Canada

A Air Canada reduzirá sua capacidade de transporte de passageiros no segundo trimestre em 50% em relação ao ano passado devido a uma queda no tráfego e seus ganhos como resultado da nova pandemia de coronavírus.

Mais de 30 rotas internacionais já foram afetadas. Na América do Sul, a empresa suspendeu os voos entre Toronto (Canadá) e Quito (Equador) e entre Montreal (Canadá) e Lima (Peru). Os voos para o Brasil não foram afetados até o momento.

Veja aqui a lista completa de rotas suspensas.

Air China

A companhia aérea chinesa manteve os voos entre a China e o Brasil. O avião parte de Pequim (China) e faz uma escala em Madri (Espanha) antes de seguir viagem ao aeroporto de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo. Os passageiros, no entanto, podem cancelar a passagem sem custos.

Mais informações aqui.

Air Europa

A companhia aérea espanhola afirmou que teve de suspender diversas rotas por conta das restrições impostas pelos países onde opera. Os voos para o Brasil ainda não foram afetados, mas passageiros com conexão podem ser impactados.

Veja aqui a lista dos voos suspensos pela Air Europa.

Air France

A companhia aérea francesa anunciou que deve cortar entre 70% e 90% de sua capacidade de assentos nos próximos dias. A empresa, no entanto, não informou quais rotas serão afetadas. Segundo a Air France, os voos para o Brasil não terão impacto neste momento. Com a redução das operações, toda a frota de Airbus A380 da companhia ficará parada em solo.

Alitalia

A Itália é o país europeu com o maior número de casos do novo coronavírus. Muitos voos domésticos foram cancelados e alguns aeroportos estão fechados. Os voos de Roma para São Paulo e Rio de Janeiro, no entanto, continuam operando normalmente.

American Airlines

A companhia aérea anunciou na noite do último sábado (14) a suspensão de todos os voos para Brasil. A empresa tinha voos de Dallas e Los Angeles para o aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, de Nova York para os aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro, e Guarulhos, e de Miami para Galeão, Guarulhos, Brasília e Manaus.

De acordo com a companhia área, a interrupção dos voos está prevista para durar até o dia 6 de maio. No total, a American Airlines deve suspender 75% dos voos internacionais da companhia.

British Airways

O executivo-chefe da British Airways, Alex Cruz, avisou os funcionários em um memorando que a companhia aérea terá que cortar empregos, suspender rotas e estacionar aeronaves por causa da pandemia de coronavírus. Até o momento, no entanto, a empresa não deu mais detalhes de quais rotas serão afetadas.

Delta Air Lines

A companhia aérea norte-americana deve cortar entre 10% e 15% dos voos domésticos. Nos voos internacionais, a empresa já suspendeu mais de 30 rotas, sendo dez para a América Latina. Até o momento, os voos para o Brasil continuam com as operações normais. Segundo a empresa, os voos suspensos são por restrições impostas pelos países.

A lista dos voos afetados está aqui.

Emirates

A Emirates já suspendeu voos para 30 destinos em que opera. Na lista, não há nenhum destino na América do Sul afetado. No entanto, a companhia aérea recomenda que o passageiro se informe da situação do voo antes da viagem.

"Todos os clientes devem verificar os avisos de viagem relevantes dos países de origem e de destino. Essa é uma situação dinâmica e é de responsabilidade do cliente garantir que não haja restrições de entrada em seu destino de viagem", afirmou a empresa em um comunicado publicado em seu site.

Veja os destinos da Emirates afetados por suspensão de voos.

Ethiopian Airlines

Os voos da companhia aérea para o Brasil continuam operando normalmente por enquanto. A empresa suspendeu voos apenas para os países que impuseram restrições para as operações. Veja a lista aqui. Para viagens marcadas para até 30 de junho, os passageiros podem solicitar a remarcação do bilhete, mas o reembolso só é sem taxa para os destinos que tiveram voos cancelados.

Flybondi

Com voos de Buenos Aires para Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, a ultra low cost Flybondi não teve nenhum cancelamento até o momento.

Iberia

A companhia aérea espanhola faz parte do mesmo grupo da British Airways, o IAG (International Airline Group). Segundo agências internacionais, o grupo deve reduzir sua capacidade em até 75% nos próximos dois meses, mas ainda não há a definição das rotas afetadas. Passageiros com viagem marcada para até 30 de abril podem solicitar a remarcação do bilhete para voar até 31 de dezembro.

JetSmart

A ultra low cost chilena adiou o início das suas operações entre São Paulo e Santiago, sem data definida até o momento. A empresa ainda não informou sobre uma possível suspensão dos voos de Foz do Iguaçu e de Salvador para a capital chilena.

A empresa também flexibilizou a regra para remarcação de bilhete. "Qualquer pessoa que tenha comprado passagens em voos nacionais ou internacionais para voar de 13.03.2020 até 31.03.2020 poderá realizar 01 mudança em seu voo, seja de data ou de destino, sem custo, pagando apenas pela diferença de tarifa, se existir, independentemente de quando tenha comprado o seu bilhete", afirmou em comunicado.

KLM

Do mesmo grupo da Air France, a KLM também deve reduzir sua capacidade entre 70% e 90% nos próximos dias. A empresa também afirmou que os voos para o Brasil continuam operando por enquanto. No caso da KLM, toda a frota de Boeing 747 deve ficar parada.

Lufthansa

As empresas do grupo Lufthansa, que inclui também a Swiss e a Austrian Airlines, já suspenderam mais de 7.100 voos em março por conta da baixa demanda gerada pela pandemia de coronavírus. Até o momento, as operações para o Brasil não foram afetadas.

Com uma redução da capacidade em 25%, a Lufthansa tem mais de 20 aviões de longo alcance parados em solo. O grupo já anunciou também a paralisação temporária de todas as operações da Austrian Airlines entre 19 de março e 28 de março.

Norwegian

A Norwegian anunciou nesta segunda-feira que vai cancelar 85% de seus voos e demitir 7.300 funcionários, que correspondem a 90% da força de trabalho da companhia. Segundo a Norwegian, todos os voos intercontinentais estão cancelados, incluindo o voo do Rio de Janeiro para Londres (Reino Unido). As alterações e pedidos de reembolso podem ser feitas no site da Norwegian.

Qatar Airways

A Qatar cancelou diversos voos em virtude da epidemia de coronavírus até o dia 30 de abril. As rotas mais afetadas são para China, Hong Kong, Irã, Coreia do Sul, Egito, Itália e Kuwait. A empresa recomenda que os passageiros verifiquem o status do voo no site da companhia aérea.

Se você reservou sua passagem no site da Qatar, poderá alterar a reserva ou solicitar reembolso diretamente com a companhia aérea. Se você reservou seus bilhetes por meio de um agente de viagens, entre em contato com o agente para alterar ou reembolsar sua reserva.

Royal Air Maroc

Seguindo determinação do governo de Marrocos, a Royal Air Maroc suspendeu por tempo indeterminado todos os seus voos internacionais. A decisão afeta as rotas de Casablanca para o Rio de Janeiro e São Paulo.

No anúncio sobre a suspensão, a empresa afirma apenas que "convida todos os clientes a indagar sobre os acordos comerciais adotados após esta decisão" no telefone +21252248-9797.

Sky

Diante do recente anúncio do governo chileno de fechar por 14 dias as fronteiras do país aos estrangeiros a partir de quarta-feira (18), a Sky flexibilizou a política de alterações para todos aqueles passageiros afetados com reservas confirmadas até 31 de março. Aqueles que sofreram qualquer cancelamento de seu voo poderão alterar a data, sem penalidade ou diferença de tarifa, para voar até 30 de novembro. A modificação pode ser solicitada a qualquer momento, mesmo após a data da viagem.

"Nesse contexto, a companhia aérea também alerta todos os passageiros estrangeiros para não irem ao aeroporto ou viajar, dadas as medidas de restrição de fronteiras recentemente anunciadas pelas autoridades do governo chileno", afirmou a empresa.

TAP

A portuguesa TAP suspendeu três rotas para o Brasil. Os voos de Porto para São Paulo e Rio de Janeiro estão cancelados até o dia 16 de junho, enquanto a rota de Lisboa para Porto Alegre (RS) está suspensa até 30 de junho. No total, 37 destinos operados pela TAP foram afetados, sendo 23 deles na Europa.

"Devido à atual situação do coronavírus, ampliamos a possibilidade de remarcação do seu voo, sem o pagamento da taxa de alteração associada, para qualquer rota TAP e para qualquer data de viagem", afirmou a empresa.

A orientações para reembolso, remarcação e lista de destinos afetados estão no site da TAP.

Turkish Airlines

A Turkish Airlines suspendeu voos para mais de 20 países até o início de abril. Os voos entre São Paulo e Istambul não foram afetados até o momento. Os passageiros que tinham como destino final um dos voos cancelados podem remarcar o bilhete até 31 de maio.

United Airlines

A United vai suspender diversos voos internacionais, entre eles as rotas de São Paulo para Washington e Chicago. A suspensão é válida entre 1º e 30 de abril.

Quem tiver voo durante a suspensão deve entrar em contato com a companhia nos telefones 0800-942-3372, (11) 3145-4200 ou 0800-16-23-23.

Virgin Atlantic

A companhia aérea britânica adiou o início do voo entre São Paulo e Londres, prevista para ocorrer em 29 de março. A nova data de estreia da companhia no Brasil será em 5 de outubro. "Todos os passageiros com reservas devem entrar em contato com nossa equipe. Estamos à disposição para conversar sobre remarcações e reembolsos através do telefone 0800-7281-433", afirmou a empresa.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

Todos a Bordo