IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

A Companhia

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Ação do Itaú cai no ano, mas lucro em 2022 foi de R$ 30,8 bi, alta de 14,5%

Divulgaçao/Itaú Unibanco
Imagem: Divulgaçao/Itaú Unibanco

Colaboração para o UOL, em São Paulo

07/03/2023 09h14

Esta é a versão online da newsletter A Companhia enviada hoje (7). Quer receber antes o boletim e diretamente no seu email? Clique aqui. Os assinantes UOL ainda podem receber dez newsletters exclusivas toda semana.

Nesta semana, o destaque na newsletter A Companhia é o Itaú Unibanco, escolhido pelo analista Bruno Marin, do PagBank.

Ele lembra que, entre 2021 e 2022, a taxa básica de juros do país (Selic) passou de 2% para 13,75% ao ano —nível em que se encontra atualmente.

Isso permitiu que os bancos voltassem a lucrar com modalidades mais conservadoras de investimento (como CDBs, por exemplo).

"Dada essa mudança no setor, entendemos que o Itaú, conhecido pelo seu conservadorismo e histórico de execução, é a instituição financeira que está mais bem posicionada para 2023."

Em 2022, o banco obteve um lucro de R$ 30,8 bilhões, uma alta de 14,5% em comparação com o ano anterior.

"A exposição do Itaú às Americanas [que pediu recuperação judicial], na casa de R$ 2,7 bilhões, já foi 100% provisionada nos créditos de liquidação duvidosa, tendo um efeito de R$ 719 milhões no lucro líquido recorrente", comenta o analista.

A estratégia, já adotada pela administração em outras situações, é uma maneira de "limpar" o balanço e aumentar a visibilidade do mercado para os trimestres seguintes, algo elogiado pelos especialistas.

Marin observa ainda que o banco reportou, nos três últimos meses de 2022, um dos maiores retornos sobre o patrimônio líquido do setor, de 19,3%. "Destacamos também a sólida margem financeira e a taxa de inadimplência controlada (2,9%), corroborando a tese de que sua estratégia foi vencedora."

Neste ano, até 2 de março, as ações preferenciais do Itaú (ITUB4) tinham queda de 3%, conforme dados do TradeMap, hub independente do mercado financeiro. Em 2022, o desempenho acumulado foi positivo em 24%.

Saiba mais sobre o Itaú Unibanco

Trata-se do maior banco privado do país, com ativos totais que alcançavam quase R$ 2,5 trilhões ao fim de 2022. Seu valor de mercado, no início de março deste ano, era de quase US$ 42,5 bilhões, segundo o TradeMap.

Segundo a consultoria internacional Brand Finance, a instituição, que já figurou nesta newsletter, possui a marca mais valiosa da América Latina, avaliada em US$ 8,7 bilhões.

O Itaú está presente em 18 países e possui atualmente cerca de 101 mil colaboradores, no Brasil e exterior.

LEIA MAIS NA NEWSLETTER

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL