PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Econoweek

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

É hora de investir no exterior? Conheça a aplicação mais segura e lucrativa

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

03/12/2021 04h00

Com o Tesouro Direto suspendendo as operações várias vezes, curva de juros invertida e ambiente mais arriscado, que reflete em queda da Bolsa, cresceu o interesse por investimentos fora do Brasil. Será que chegou a hora de investir no exterior?

Aqui no Brasil, para quem investe em ações, o Ibovespa já acumula queda de mais de 10% no ano, enquanto as Bolsas mundo afora estão nas máximas históricas: o S&P 500 dos Estados Unidos sobe ao redor de 30%, por exemplo.

Esse clima de queda na Bolsa também se reflete na renda fixa e no Tesouro Direto.

A gente já falou aqui do tanto de vezes que o Tesouro Direto está suspendendo os investimentos e o site fica fora do ar. Já explicamos o estranho caso da curva de juros invertida, quando as aplicações do Tesouro que vencem antes começam a render mais que as que vencem depois, o que é uma loucura total!

Mas a gente está aqui hoje para falar de como você pode investir no exterior… Como aplicar sua grana fora do Brasil!

Há diversas maneiras de fazer isso, mas qual será a mais fácil e mais segura, principalmente para quem está dando os primeiros passos e nunca investiu fora?

Você sabe o que são ETFs?

ETF é a sigla do mundo dos investimentos para Exchange Traded Funds, ou simplesmente fundos de investimentos negociados na Bolsa.

Traduzindo: em vez de haver um gestor profissional cuidando de selecionar os investimentos para você, como num fundo tradicional, uma ETF estabelece que vai investir nas mesmas coisas que algum índice famoso, com as mesmíssimas proporções.

O Ibovespa, por exemplo, é um índice que mostra a alta ou a queda das principais ações da Bolsa brasileira. Só que não dá para investir no Ibovespa porque ele é só um termômetro para saber se a Bolsa está indo bem ou mal.

É possível investir em um fundo que aplica nas mesmas coisas que o Ibovespa, ou investir numa ETF que replica o Ibovespa e economiza com a equipe de gestão que faria a mesma coisa.

O ETF mais famoso que replica o Ibovespa é o BOVA11. Vale a pena dar uma olhada no vídeo acima!

Os ETFs ainda contam com a facilidade de você ver a valorização dela na Bolsa, igualzinho a uma ação. E você também pode comprar mais cotas do ETF, ou vendê-las quando quiser.

Em média, um fundo de investimentos cobra 2% por ano de taxa de administração sobre o total que você investiu. O WRLD11, que comentei agora há pouco, cobra 0,38%.

Nas Bolsas dos EUA há ao redor de 2.500 ETFs diferentes, sendo que uma delas é a "ação" mais negociada do planeta, e ela nem é uma ação!

Aqui no Brasil, ainda estamos com apenas umas 40, mas isso está mudando.

Conheça agora algumas ETFs que facilitam o caminho de quem quer investir fora do Brasil.

Lembre-se: essas não são recomendações de investimentos. São apenas ideias de ativos que ilustram o aprendizado e facilitam o caminho para você pesquisar e conhecer outras aplicações em ETFs que possam até ter mais a ver com você.

ETF WRLD11

Você sabia que há uma maneira de investir em mais de 9 mil empresas ao redor do mundo de uma vez só?

São ações de empresas como Apple, Samsung e Xiaomi, Johnson, Toyota e Volkswagen, Nike e Adidas, Netflix e mais 8.990 ações.

Você aplica sua grana numa coisa só e automaticamente ela está investida nessas empresas ao redor do mundo sem ter que "esquentar a cabeça" em abrir conta vários países, sem ter que saber tudo que está acontecendo mundo afora e que podem impactar nos seus investimentos.

Há uma cobrança de taxa de administração nesse investimento que é de 0,38% ao ano. A taxa do Tesouro Direto é de 0,25%, por exemplo.

ETF ALUG11

A ETF ALUG11 investe nos equivalentes aos fundos imobiliários dos Estados Unidos.

Ao investir nisso, você está aplicando sua grana em empreendimentos imobiliários geradores de renda, como imóveis residenciais, comerciais, indústrias, hospitais, data centers e mais um monte de coisa.

Com uma taxa de 0,60% por ano, você pode investir em diversos ativos imobiliários de um setor que as receitas subiram bastante de uns anos para cá.

ETF USTK11

Para quem é entusiasta do mundo de novas tecnologias, há a ETF USTK11. Ao colocar sua grana lá, você automaticamente está investindo em mais de 300 empresas tech, como Apple, Zoom, Microsoft, Mastercard, Paypal, Intel, Nvidia...

Essa é mais uma ideia para ficar no seu radar.

Como investir em ETFs?

Para investir em ETFs é bem simples. É como investir em qualquer ação, exatamente como no passo a passo do vídeo acima.

Você vai precisar ter conta em uma corretora.

A maioria das corretoras não cobra nada nem para abrir nem para manter a conta aberta. Então, você pode abrir conta em mais de uma corretora sem precisar transferir nenhum dinheiro para lá e testar da qual você mais gosta.

Lembrando que esses ETFs que falamos são de renda variável, que é um universo mais arriscado dos investimentos. Então, vá com calma.

Se está realmente pensando em investir fora, esse é um dos caminhos mais eficientes, baratos e seguros.

Mas isso não quer dizer que você deve investir toda sua grana nisso.

Ao contrário, deve começar bem aos poucos até aprender e reservar só uma parte que não vai fazer falta, caso ainda seja inexperiente nesse mundo.

É muito importante ter dinheiro na reserva de emergência, investir no Tesouro Direto, pois, apesar de tudo, está com as rentabilidades bem altas, e daí sim você pode investir fora, em alguma ETF.

O que a gente está dizendo é que não é para fugir para as colinas porque "deu ruim" no Brasil, mas vale a pena "ter um pezinho lá fora" porque por aqui a coisa anda meio estranha.

Também deve estar preparado para o sobe e desce típico dessas aplicações para não se assustar, sacar a grana e ficar no prejuízo.

Quer ter uma renda extra todo mês no Brasil?

Há aplicações do Tesouro Direto chamadas de "com juros semestrais".

Em vez de você ter que esperar até o dia do vencimento para pegar seu dinheiro de volta acrescido dos rendimentos, toda a rentabilidade pode ser recebida duas vezes por ano.

No vídeo abaixo, mostramos como montar uma estratégia para ter uma renda extra mensal fazendo esse tipo de aplicação.

É de graça! Faça parte da comunidade Econoweek nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube) para acompanhar mais dicas de inteligência financeira como essa.

PUBLICIDADE