PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Econoweek

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Tesouro Direto não é 100% seguro! Conheça os riscos dessa aplicação

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

06/01/2022 04h00

Com essa crise, a dívida do governo disparou! Os gastos que já eram altos ficaram ainda maiores e as receitas de arrecadação de impostos já não estão dando conta do recado, de modo que a dívida do governo está ficando cada vez maior. Ainda é seguro investir no governo através do Tesouro Direto?

Hoje, vou mostrar quais são os riscos de investir no Tesouro Direto!

Este é mais um artigo de uma série chamada Mapa do Tesouro Direto, que vai te deixar expert nesse tipo de investimento. É 100% gratuito, não tentaremos vender nada e tudo o que queremos é transformar você em referência para aplicações no Tesouro.

O que acontece se o Tesouro Direto quebrar?

Em primeiro lugar, você precisa saber que os investimentos do Tesouro Direto são considerados os mais seguros do Brasil.

Há dois grandes motivos para isso:

O primeiro é meio sacana! O governo pode imprimir mais dinheiro para te pagar, caso ele fique sem. Ao contrário dos bancos com seus CDBs, se a grana acabar, acabou e ninguém recebe.

Então, essa é uma garantia exclusiva do Tesouro, que apesar de ser indesejável, apenas ele pode garantir isso.

O segundo é que para o Tesouro falir, com certeza toda a economia brasileira teria entrado em colapso antes, com grandes empresas e bancos como Itaú, Bradesco, Santander, Caixa Econômica e até o Banco do Brasil falindo antes.

Isso parece bem improvável, né?

E se o Tesouro me der um calote?

Para você ficar ainda mais tranquilo, os bancos e as instituições financeiras, sozinhos, representam mais de 30% dos investimentos no Tesouro, com quase R$ 2 trilhões.

Se a gente somar instituições financeiras, fundos de investimentos, fundos de previdência e seguradoras, o total passa de R$ 4 trilhões e representa 80% de todo o investimento no Tesouro.

Todo o sistema financeiro teria um colapso se o Governo não pagasse! Por isso, pode ter certeza de que o governo certamente vai evitar a todo o custo que aconteça tal calote.

Aliás, em toda a história do Tesouro Direto isso nunca aconteceu.

O que acontece se o Tesouro não quiser devolver meu dinheiro?

No Tesouro Direto, esse risco praticamente não existe porque ele mesmo garante a recompra do seu título em qualquer dia útil caso você queira seu dinheiro de volta antes da data do vencimento.

Caso você quisesse resgatar algum de seus investimentos e não houvesse essa garantia de recompra, teria que encontrar um comprador no chamado mercado secundário e haveria chance de não encontrar alguém interessado em resgatar o dinheiro no seu lugar lá na data do vencimento.

Por aqui, não há esse risco, já que o Tesouro garante que ele mesmo comprará esse título, caso você queira sua grana antes da hora.

Mas tome cuidado, pois o resgate antecipado no Tesouro IPCA e Tesouro Prefixado pode causar prejuízo!

Posso perder dinheiro se resgatar meu investimento do Tesouro antes do vencimento?

Com exceção do Tesouro Selic, a rentabilidade dos investimentos do Tesouro Direto é garantida só para quem fica até o dia do vencimento.

Nesse meio tempo, quem pretende (ou precisa sacar antes) corre o risco de oscilação de preço dos títulos por conta de um negócio chamado marcação a mercado, que explicamos no vídeo abaixo.

Por isso, se planeje para ficar com o dinheiro aplicado até o dia combinado.

PUBLICIDADE