PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

José Paulo Kupfer

Saída da Ford é só sintoma da "doença" que debilita a indústria há décadas

José Paulo Kupfer

Jornalista profissional desde 1967, foi repórter, redator e exerceu cargos de chefia, ao longo de uma carreira de mais de 50 anos, nas principais publicações de São Paulo e Rio de Janeiro. Eleito “Jornalista Econômico de 2015” pelo Conselho Regional de Economia de São Paulo/Ordem dos Economistas do Brasil, é graduado em economia pela FEA-USP e integra o Grupo de Conjuntura da Fipe-USP. É colunista de economia desde 1999, com passagens pelos jornais Gazeta Mercantil, Estado de S. Paulo e O Globo e sites NoMinimo, iG e Poder 360.

14/01/2021 17h06

O encerramento da produção de veículos no Brasil pela Ford, depois de cem anos de presença no país, causou forte comoção e deflagrou intenso debate. A busca dos erros que levaram à decisão radical da montadora viajou por razões variadas, em geral de acordo com a visão econômica de cada um dos que se dispuseram a fazer o diagnóstico. Ao mesmo tempo, as medidas de correção sugeridas se concentraram em dobrar apostas nas soluções já testadas - e fracassadas.

Basta, no entanto, olhar para a curva histórica da participação da indústria em geral no conjunto da economia para perceber que a saída da Ford é apenas uma manifestação de um problema estrutural, de uma "doença" causada por múltiplos problemas. Há pelo menos quatro décadas essa participação vem caindo.

Depois de chegar a quase 30% do total da produção brasileira em fins dos anos 80, despencou, consistentemente, até bater hoje em apenas 11% do PIB (Produto Interno Bruto), ainda que tenha dado um soluço, entre fins da década seguinte e meadas dos anos 2000, quando avançou de 15% para quase 20%. Por isso mesmo, não é culpa de um único governo ou de uma única política aplicada por este ou aquele governante.

A verdade é que a forma de produzir da indústria global sofreu profunda transformação, principalmente a partir dos anos 2000, com a formação das cadeias integradas globais de suprimento, apoiadas no desenvolvimento da internet e do transporte por contêineres. Mas o Brasil, iludido pelo tamanho aparente do seu mercado interno, ficou fora da nova onda.

No caso específico da indústria automobilística, o país também perdeu o pé tecnológico. Produz carros a combustão, movidos a gasolina ou etanol, enquanto lá fora carros híbridos e elétricos, mais eficientes e menos poluidores, avançam nas linhas de montagem. Em tempo curto, talvez não mais de 10 anos, os modelos produzidos no Brasil serão peças de museu.