PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Acidente, sequestro, latrocínio: os riscos do transporte clandestino

Alerta no Aeroporto de Guarulhos - Tudo Golpe
Alerta no Aeroporto de Guarulhos Imagem: Tudo Golpe
Flávio Tasinaffo

A coluna Tudo Golpe é a extensão de um projeto criado por Flávio Tasinaffo com o objetivo de alertar e ajudar as pessoas a não caírem em golpes rotineiros. Siga também em facebook.com/tudogolpe e no Instagram @portaltudogolpe

16/10/2020 05h00

Quem, recentemente, esteve no Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos deve ter notado uma importante campanha contra os transportes clandestinos.

Em banners, painéis eletrônicos e mensagens constantes nos alto-falantes, a orientação é clara: "Diga não ao transporte clandestino - Recuse qualquer oferta espontânea de transporte nas áreas do aeroporto".

O assunto é muito sério. Bastou que eu dividisse esta pauta em alguns grupos e, rapidamente, recebi inúmeros relatos, que não se restringiram ao Brasil:

"Há algumas semanas, assim que desembarquei no aeroporto Santos Dumont (Rio de Janeiro), alguns motoristas me abordaram, dizendo que não era preciso acionar nenhum veículo por aplicativo, pois eles poderiam me levar por fora. Eu, que nem precisava de transporte porque já havia alugado um carro, me senti bastante pressionado".

"Sempre que visito minha mãe, que mora no litoral de São Paulo, vou de ônibus. No terminal rodoviário, há várias pessoas oferecendo transporte clandestino. Conheço muita gente que aceita, às vezes nem pelo preço, que costuma ser similar, mas pelo tempo da viagem ou pelo conforto. Eu, por medo, nunca aceitei".

"Estive em Roma há alguns anos e, chegando no aeroporto, procurei um posto de atendimento que eu imaginava ser o ponto oficial de vendas. Lá, me disseram que não havia mais trem e que naquele horário era preciso pegar uma van que faria o transporte até o hotel. Como já era tarde e imaginei que era um transporte regulamentado, aceitei. Foi um dos piores medos que já passei. Lotaram a van com mais passageiros do que cabia, o motorista ficou no celular o tempo todo, parecia estar alcoolizado e trafegou em alta velocidade. Foi assustador. Depois, ainda descobri que havia, sim, trens disponíveis no horário".

"Chegando no aeroporto de Guarulhos, um motorista me abordou. Logo, vieram outros motoristas, aparentemente regulares, e começaram a discutir com ele. Acabei ficando em segundo plano enquanto eles batiam boca. Saí de perto e fui chamar um carro pelo aplicativo".

O Tudo Golpe quer engrossar esta campanha e alertar para os riscos do transporte clandestino. Para tal, conversei sobre segurança com representantes dos aplicativos Uber e 99. Separei alguns trechos:

Uber

"Ao chamar um Uber, o usuário recebe, via app, informações sobre o motorista parceiro que irá buscá-lo, como nome, foto, além do modelo, placa e cor do veículo. O usuário pode aguardar em um local seguro e monitorar o tempo de chegada do carro pelo mapa, evitando que ele fique exposto na calçada esperando seu veículo com o celular na mão".

Há funcionalidades, que nem todos conhecem e utilizam, que protegem ambos, passageiro e motorista: "Quando o carro chegar, o usuário deve verificar se as informações do veículo e do motorista conferem com as que aparecem no aplicativo, para se certificar de que está entrando no carro certo. Além disso, por meio do U-Código, o usuário pode optar por receber uma senha de quatro dígitos, que deve ser dita ao motorista para que ele consiga iniciar a viagem no aplicativo, confirmando que os dois estão na viagem correta".

Os passageiros que solicitam viagens pela plataforma estão cobertos no caso de acidentes pessoais e os motoristas parceiros passam por checagens de antecedentes criminais:

"Qualquer viagem feita fora desses padrões não é uma viagem de Uber e, portanto, não dispõe das diversas ferramentas de tecnologia e processos de segurança oferecidas pela plataforma, nem é coberta pelo seguro APP que cobre acidentes pessoais durante viagens na plataforma. Vale lembrar também que todos os motoristas parceiros da Uber passam por uma verificação de antecedentes criminais antes de ter acesso à plataforma, que inclui a checagem em bases de dados públicos de todo o Brasil. É importante frisar que nosso entendimento de segurança vai além desta verificação inicial, com diversas camadas de tecnologia em todas as etapas da viagem. Como exemplo, ao longo do trajeto, é possível compartilhar, em tempo real com qualquer pessoa, o caminho sendo feito e o horário de chegada".

Acesse aqui as informações de segurança da Uber.

Transporte Clandestino - Tudo Golpe - Tudo Golpe
Alerta em painel luminoso do Aeroporto de Guarulhos
Imagem: Tudo Golpe

99

Os representantes da 99 lembraram que há regulamentação em relação ao tema:

"Vale ressaltar que, de acordo com a Lei Federal 13.640, que regulamenta a prestação do serviço de transporte individual privado no Brasil, a contratação do serviço deve ser solicitada exclusivamente por usuários previamente cadastrados em aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede".

E, independentemente do que determina a lei, alertaram sobre as garantias e procedimentos de segurança que adotam dentro de sua plataforma:

"Além de ser proibido pela legislação, usuários que adotarem a prática de fazer corridas fora do app não contarão com as funcionalidades de segurança que a companhia oferece, como processo rigoroso de cadastro de condutores parceiros, câmeras de segurança, gravação de áudio, monitoramento de trajeto e seguro contra acidentes pessoais".

Acesse aqui as informações de segurança da 99.

GRU - Airport

Parabenizo o aeroporto de Guarulhos por esta prestação de serviço público. O alerta é fundamental. A assessoria do GRU-Airport esclareceu que a Concessionária sempre informou sobre os cuidados necessários ao solicitar transporte por aplicativo, mas que, em 2020, a campanha foi intensificada. E que já receberam denúncias, por intermédio de sua ouvidoria, devidamente encaminhadas aos órgãos competentes para registro oficial sobre as ocorrências.

Ao aceitar o transporte clandestino, o passageiro está exposto a diversos riscos e pode ser vítima de outros crimes e golpes. O GRU Airport nos informou que "a fiscalização do trânsito na zona aeroportuária é realizada pela Polícia Militar, a Polícia Rodoviária Federal e a Secretaria de Transportes e Trânsito de Guarulhos, por meio de sua Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ". E acrescentou que "a GRU Airport concede apoio na vigilância dos terminais e dos trechos da rodovia sob sua concessão, fornecendo imagens e informações estratégicas, quando solicitada, e ainda alerta aos frequentadores do aeroporto por meio de sinalização e avisos sonoros quanto aos riscos do uso do transporte clandestino".

Caro leitor, não corra riscos. Seja por preço ou por pressa, esta economia pode custar sua vida. Acidentes podem acontecer em qualquer veículo, independentemente da plataforma, mas não ter com quem compartilhar ou a quem se reportar quando for preciso pode ser muito perigoso. Ao entrar em um transporte clandestino, o perigo de viajar com alguém mal-intencionado aumenta. E se houver algo ilícito no carro e acontecer uma batida policial? Como você comprova que era apenas passageiro e não cúmplice? Exagero? Acho que vale a máxima de que é melhor prevenir do que remediar. Até porque você pode não estar vivo para se arrepender.

Você não deve entrar em transporte clandestino. Não incentive esta prática e não se coloque em risco. Viaje mais tranquilo. Pegue um táxi ou chame um veículo pelo aplicativo de sua preferência.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.