PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Cotações


Bolsas mundiais voltam a cair, temendo impactos do coronavírus na economia

Investidora usa máscara de prevenção contra vírus enquanto monitora ações em Xangai, China - Claro Cortes
Investidora usa máscara de prevenção contra vírus enquanto monitora ações em Xangai, China Imagem: Claro Cortes

Do UOL, em São Paulo

26/02/2020 10h25

O aumento nos casos de coronavírus e os temores em relação a seu impacto no crescimento global voltaram a afetar os mercados financeiros nesta quarta-feira (26). As Bolsas da Ásia fecharam em queda. Os principais índices europeus operavam em queda, chegando a atingir a mínima em quatro meses.

No Brasil, a Bolsa de Valores e o mercado de dólar comercial começaram a operar às 13h, após ficarem fechados durante o Carnaval. O dólar operava em alta, e o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, após o governo confirmar o primeiro caso de coronavírus no país.

"Para o Brasil, o vírus afetará a balança comercial, com um golpe nas exportações de commodities e uma queda nos preços das commodities prejudicando as receitas de exportação", disse Wilson Ferrarezi, economista da TS Lombard em São Paulo, à agência de notícias Reuters.

O número de mortes e casos por coronavírus subiu na Itália, e vários países europeus estavam lidando com suas primeiras infecções, alimentando preocupações com uma pandemia. O Centro para Controle de Doenças dos EUA divulgou alerta aos cidadãos para se prepararem para o vírus.

Mercados emergentes: menor nível em 12 semanas

As ações dos mercados emergentes atingiram o menor nível em 12 semanas, e a maioria das moedas também era negociada no vermelho.

Pela manhã, o índice MSCI de ações dos mercados emergentes perdia 1%, com as perdas de 2% nas ações sul-africanas e a mínima de 11 semanas do principal índice russo, em queda de 1,2%, somavam-se ao cenário.

O rublo russo caía 0,5%, rondando mínimas de quase seis meses. A lira turca estava em mínimas que não eram vistas desde maio do ano passado. O peso argentino atingiu uma mínima de seis meses.

O peso mexicano parecia estender as perdas para uma sexta sessão, com queda de 0,5% em relação a um dólar mais forte, enquanto o peso colombiano alcançou uma baixa de duas semanas.

As ações do Chile caíram para uma mínima de três anos, com queda de 0,4%, enquanto a moeda teve ganhos.

O principal índice de ações da Colômbia subiu 0,5% após vendas generalizadas em quatro sessões, quando caiu quase 4%.

"O clima no mercado é cauteloso conforme os participantes do mercado monitoram de perto a propagação do surto", disse Ferrarezi.

Índice europeu atinge mínima em 4 meses

Os índices acionários europeus caíram para uma mínima em quase quatro meses.

Por volta de 7:33 (horário de Brasília), o índice FTSEEurofirst 300 caía 1,19%, a 1.557 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdia 1,31%, a 399 pontos, depois de chegar a cair 2,6% mais cedo. O índice registrava sua primeira série de cinco dias de perdas desde julho.

As ações de empresas dos setores de viagens, serviços financeiros, química e tecnologia estavam entre as mais afetadas, recuando entre 3% e 4%.

Bolsas da Ásia fecharam em queda

As Bolsas na Ásia recuaram. O índice de blue chips chinês e o índice sul-coreano Kospi perderam mais de 1%.

  • Em Tóquio, o índice Nikkei recuou 0,79%, a 22.426 pontos.
  • Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,73%, a 26.696 pontos.
  • Em Xangai, o índice SSEC perdeu 0,83%, a 2.987 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, retrocedeu 1,23%, a 4.073 pontos.
  • Em Seul, o índice Kospi teve desvalorização de 1,28%, a 2.076 pontos.
  • Em Taiwan, o índice Taiex registrou baixa de 0,92%, a 11.433 pontos.
  • Em Singapura, o índice Straits Times desvalorizou-se 1,29%, a 3.117 pontos.
  • Em Sydney, o índice S&P/ASX 200 recuou 2,31%, a 6.708 pontos.

Expectativa de mais medidas na China

Existem expectativas de que a China adote mais medidas para impulsionar a economia, incluindo suporte para os setores imobiliário e de infraestrutura, disse Luo Kun, analista do Fortune Securities.

Autoridades da China já anunciaram uma série de medidas para sustentar a economia abalada pelo coronavírus. A epidemia deve ter um impacto devastador sobre o crescimento do primeiro trimestre.

Efeito nos títulos e nos juros dos EUA

Os mercados de títulos estão apostando que os bancos centrais terão que vir ajudar com novos estímulos às economias. Nos EUA, na terça-feira (25), os preços das ações e do petróleo caíram novamente. Os rendimentos dos títulos do Tesouro atingiram mínimas históricas.

Na véspera, aumentaram as apostas em corte de juros nos EUA. No mercado, a aposta é de uma chance de 50% de um corte de 0,25 ponto na taxa de juros no início de abril, e de mais de 0,50 ponto em reduções até o final do ano.

Isso afetou a situação do dólar em relação a outras moedas. "O potencial de queda econômica a partir do vírus nas costas dos EUA esfriou o rali do dólar... derrubando os rendimentos do Tesouro para mínimas de vários anos", disse Joe Manimbo, analista de mercado sênior da Western Union Business Solutions.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

(Com Reuters)

Cotações