PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Dólar dispara quase 5%, bate novo recorde e fecha acima de R$ 5 pela 1ª vez

Do UOL, em São Paulo

16/03/2020 17h02Atualizada em 16/03/2020 18h35

O dólar comercial fechou em alta de 4,86%, cotado a R$ 5,047 na venda. É a primeira vez que o dólar fecha acima de R$ 5 e é o maior valor nominal (sem considerar a inflação) de fechamento desde a criação do Plano Real.

A alta do dia é a maior desde a disparada de 8,15% de 18 de maio de 2017, data que ficou conhecida como "Joesley Day", depois de o empresário Joesley Batista ter divulgado áudios do então presidente da República Michel Temer. Em março, o dólar acumula alta de 12,62%, enquanto em 2020 a moeda se valoriza 25,76%.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto. Nesta segunda, chega a R$ 5,20 em corretoras de São Paulo.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou em queda de 13,92%, aos 71.168,05 pontos, mesmo após uma suspensão temporária, pela manhã, com o acionamento do "circuit breaker". Foi a quinta suspensão em oito dias, desde 9 de março. É o menor nível de fechamento desde 27 de junho de 2018 (70.609 pontos).

Foi mais um dia de tensão nos mercados mundiais, mesmo após vários bancos centrais anunciarem medidas para tentar conter os impactos do coronavírus na economia. A decisão do banco central dos EUA, de fazer um segundo corte emergencial dos juros, para perto de zero, assustou os investidores sobre o impacto que a covid-19 pode ter.

Bancos centrais tentam conter crise

Bancos centrais das principais economias estão adotando medidas para estimular os mercados, que se deterioram em meio à pandemia.

Por exemplo, o Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) cortou ontem os juros em um ponto percentual, para perto de zero, em uma decisão emergencial. O banco também prometeu centenas de bilhões de dólares em compras de ativos.

Apesar dos esforços, as Bolsas da Europa despencavam na manhã de hoje ao menor nível desde 2012, enquanto as asiáticas fecharam em queda de mais de 2%.

Hoje os mercados internacionais deveriam repercutir positivamente as ações adotadas neste final de semana pelos bancos centrais. Entretanto, nem mesmo as ações emergenciais estão sendo capazes de conter o pânico que se assola sobre os mercados nesta manhã.
Ricardo Gomes da Silva, da Correparti Corretora

Segundo analistas, a decisão dramática e inédita do Fed, apesar de buscar estimular os mercados, apenas destaca o quanto o coronavírus está afetando a economia global, forçando o banco a colocar em ação suas ferramentas disponíveis.

"As sequelas da Covid-19 já se fazem presentes na economia global e devem se ampliar ainda mais nas economias da zona do euro, dos EUA e aqui no Brasil, com risco de estarmos próximos de uma recessão global", destacou a equipe da Mirae Asset, em relatório a clientes.

"Apesar de (intervenções de BCs) serem estímulos positivos à economia, as preocupações quanto ao grau de desaceleração econômica global foram elevadas", opinou a XP Investimentos em nota. "Além disso, acreditamos que (...) os bancos centrais, ao já terem anunciado tantas medidas em tão pouco tempo, podem ficar de mãos atadas. As ações podem ter seus efeitos ainda mais limitados na ausência de medidas fiscais."

Expectativa de corte de juros no Brasil

As medidas dos principais bancos centrais pelo mundo geram expectativa de que o BC brasileiro antecipe um corte na taxa básica de juros (Selic), que hoje está em 4,25%. O Copom (Comitê de Política Monetária), responsável pela decisão, tem reunião marcada para esta terça e quarta-feira.

Analistas do mercado esperam a Selic em 4% e reduziram a estimativa de crescimento em 2020 em 0,31 ponto percentual, a 1,68%.

Governo anuncia novas medidas de emergência

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou nesta segunda-feira, em reunião extraordinária, medidas para facilitar a renegociação de dívidas, numa resposta aos impactos do coronavírus sobre a economia brasileira. O governo também flexibilizou os requerimentos de capitais dos bancos nos próximos seis meses.

A expectativa é que as medidas aumentem o fluxo de capital na economia brasileira e sirvam de incentivo para minimizar a crise.

Recorde do dólar não considera inflação

O recorde do dólar alcançado hoje considera o valor nominal, ou seja, sem descontar os efeitos da inflação, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos.

Levando em conta a inflação nos EUA e no Brasil, o pico do dólar pós-Plano Real aconteceu no fim do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 22 de outubro de 2002. O valor nominal na época foi de R$ 3,952, mas o valor atualizado ultrapassaria os R$ 7.

Fazer esta correção é importante porque, ao longo do tempo, a inflação altera o poder de compra das moedas. O que se podia comprar com US$ 1 ou R$ 1 em 2002 não é o mesmo que se pode comprar hoje com os mesmos valores.

(Com Reuters)

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Cotações