PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

O que preveem agora analistas que viram dólar a R$ 5 se Haddad fosse eleito

Lucas Gabriel Marins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

11/03/2020 04h00

Duas semanas antes do primeiro turno das eleições de 2018, o economista Ricardo Amorim fez uma previsão. "Se der Fernando Haddad [candidato do PT à presidência], o dólar vai a cerca de R$ 5", disse, durante um evento promovido pela corretora XP Investimentos.

A própria XP, na mesma época, fez um levantamento com 281 investidores. Na pesquisa, 85% dos entrevistados disseram que com o candidato petista no cargo mais alto do executivo nacional, a moeda americana passaria dos R$ 4,40.

O dólar comercial tem batido recordes nominais e se aproximado dos R$ 5 (o dólar para turistas, comprado em casas de câmbio, já passou dos R$ 5).

A reportagem do UOL procurou Amorim para saber qual a nova previsão dele para o câmbio brasileiro. Também procurou a XP para saber se analistas têm uma nova estimativa.

Cenário global e discurso de Bolsonaro mudaram situação

Amorim disse que em 2018, antes das eleições, previu que o dólar subiria muito se Haddad ganhasse e cairia com Jair Bolsonaro (sem partido) no poder, mas que a queda não se sustentaria. "O Bolsonaro ganhou, e o dólar caiu à faixa de R$ 3,60 e, depois disso, passou a subir, exatamente como eu previ na época", falou à reportagem do UOL.

De lá para cá, disse o economista, aconteceram as eleições, o cenário internacional piorou com a guerra comercial entre China e Estados Unidos, houve o conflito dos EUA com o Irã e, mais recentemente, surgiu o coronavírus.

"Isso fez o dólar subir no mundo inteiro. No Brasil, aumentou ainda mais porque somado a tudo isso, os juros caíram ao menor nível da história e o discurso do Bolsonaro contra o meio ambiente e sua guerra com o Congresso preocupam investidores internacionais, que tiraram dinheiro daqui", disse.

Economista prevê piora por causa de coronavírus

Amorim aposta que o dólar deve subir ainda mais, principalmente por causa do coronavírus. O motivo, segundo ele, é que, apesar de a letalidade do vírus ser menor entre os mais jovens, a doença se transmite com facilidade.

"Isso me leva a crer que o número de casos ainda deve crescer bastante, o que alimenta o pânico, paralisa economias no mundo inteiro e aumenta a aversão a risco dos investidores. Por isso, é provável que o dólar ainda suba mais, talvez muito mais, antes de voltar a cair", disse.

Qual a avaliação da XP?

Marcos Ross, economista-sênior da XP, disse ao UOL que a pesquisa de 2018 não refletia o posicionamento da corretora, mas sim dos entrevistados.

Segundo ele, muitos analistas na época achavam que Haddad poderia gerar alta do dólar, e esse posicionamento, em alguma medida, teve reflexo nas expectativas do mercado medidas pelo BC (Banco Central).

Desde as eleições, disse Ross, os cenários brasileiro e internacional mudaram e isso gerou pressão em cima da moeda brasileira. "A baixa taxa básica de juros, a dificuldade de o Brasil crescer acima de 2% e o cenário internacional, com tensões geopolíticas e o coronavírus, afetaram o câmbio", disse.

Para Ross, o panorama atual deve fazer o dólar continuar alto. O crescimento da moeda americana poderia frear um pouco, falou, se o Brasil mirasse nas reformas necessárias. "Temos que tratar mais das reformas econômicas, pois desde a aprovação da Previdência tivemos só um fluxo de notícias ruins", declarou.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Cotações