PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

Bolsa cai 5,5% no dia, mas sobe 9,5% na semana; dólar fecha acima de R$ 5

Do UOL, em São Paulo

27/03/2020 17h07Atualizada em 27/03/2020 18h29

O dólar comercial fechou em alta de 2,22%, a R$ 5,107 na venda, depois de ter fechado abaixo de R$ 5 na véspera. Na semana, a moeda acumulou alta de 1,58%. Foi a sexta semana seguida de avanço.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou o dia em queda de 5,51%, a 73.428,78 pontos, depois de três altas seguidas. Ainda assim, acumulou alta de 9,48% na semana, após cinco quedas semanais. Os mercados permanecem voláteis no mundo em razão da pandemia do novo coronavírus.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Atenção ao ritmo de contágio

O mercado segue atento aos reflexos da disseminação do coronavírus, conforme o ritmo de contágio não mostra sinais de diminuição, contudo. Investidores seguem cautelosos, mesmo após esforços globais para atenuar os efeitos nas economias, incluindo um pacote de US$ 2 trilhões apenas nos EUA.

"As medidas que estão sendo anunciadas oferecem um alívio principalmente no curto prazo, mas o efeito da pandemia no médio e longo prazos ninguém sabe ainda", afirmou João Ferreira, diretor e sócio na corretora Nova Futura, à agência de notícias Reuters.

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou que países do mundo inteiro devem responder com "adoção bastante massiva" de recursos para conter danos sem precedentes da pandemia e estabelecer bases para uma forte recuperação.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estimou que cada mês que as principais economias passam em confinamento diminuirá em 2 pontos percentuais o crescimento anual.

"O que está sendo discutido entre governos e especialistas em saúde é o prazo que deve durar a quarentena", afirmaram os analistas Fernando Bresciani e Pedro Galdi, da corretora Mirae Asset, acrescentando que a "decisão para este tema vai sinalizar se o mundo caminha para uma retomada em 'V', 'U' ou 'L'".

Medidas de incentivo no Brasil

No Brasil, os investidores se dividiam entre as notícias sobre a disseminação do coronavírus no mundo e as expectativas de mais medidas de estímulo para combater os impactos econômicos da pandemia.

A Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto que estabelece uma renda emergencial no valor de R$ 600 aos chamados vulneráveis durante a crise causada pelo coronavírus por três meses, prorrogáveis se assim o Executivo decidir.

Hoje, o governo federal anunciou uma linha de crédito para pequenas e médias empresas. A medida promete financiar dois meses de salário de trabalhadores para as empresas que assumirem o compromisso de não demitir por igual período.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Cotações