PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Cotações

Bolsas dos EUA e da Europa tombam com disparada dos casos de covid no mundo

Do UOL, em São Paulo*

28/10/2020 14h17Atualizada em 28/10/2020 17h50

As Bolsas de Valores tombaram em todo o mundo nesta quarta-feira (28), com a preocupação de que o aumento dos casos de covid-19, sobretudo na Europa, prejudique a recuperação da economia global, que já era frágil. A incerteza diante das eleições presidenciais nos EUA, marcadas para a próxima terça-feira (3), também gerou tensão nos mercados.

Com investidores buscando segurança, a Bolsa brasileira teve a pior queda desde abril, de 4,25%, e o dólar subiu para R$ 5,763. A moeda norte-americana chegou a encostar em R$ 5,79, mas reduziu a alta após uma intervenção do Banco Central no mercado de câmbio.

O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou hoje o segundo lockdown no país, por todo o mês de novembro. O primeiro ocorreu de março a maio.

A Alemanha também determinou medidas de confinamento, ainda que parciais, a partir de 2 de novembro.

"Quer você chame de continuação da pandemia ou de uma terceira onda de descoberta de novos casos de coronavírus, essa é a maior preocupação", disse Art Hogan, estrategista-chefe de mercado da National Securities em Nova York, à agência de notícias Reuters.

"A menos até que superemos esta pandemia, é difícil para os investidores vislumbrarem um momento econômico melhor."

Em relação às eleições nos EUA, o ex-vice-presidente Joe Biden tem uma vantagem consistente sobre o presidente Donald Trump antes da votação. Os investidores apostam cautelosamente em sua vitória e em uma possível "onda azul", que permita aos democratas controlar as duas câmaras do Congresso.

Bolsas dos EUA

Nos Estados Unidos, os principais índices das Bolsas de Nova York fecharam em forte queda, por volta das 14h:

  • Dow Jones: -3,24%
  • Nasdaq: -3,73%
  • S&P 500: -3,52%

Os setores de energia e tecnologia do S&P 500 estavam entre os mais atingidos.

Também caíram os rendimentos do títulos do Tesouro dos EUA e o preço do petróleo.

Bolsas da Europa

As ações europeias atingiram seu nível mais baixo desde o final de maio, com a Alemanha e a França se preparando para anunciar restrições rigorosas à movimentação, depois que as mortes de Covid-19 em toda a Europa saltaram quase 40% em uma semana.

O índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 3%, a pior queda em cinco semanas Veja como fecharam as principais Bolsas:

  • Em Londres, o índice Financial Times recuou 2,55%
  • Em Frankfurt, o índice DAX caiu 4,17%
  • Em Paris, o índice CAC-40 perdeu 3,37%
  • Em Milão, o índice Ftse/Mib se desvalorizo 4,06%
  • Em Madri, o índice Ibex-35 registrou baixa de 2,66%
  • Em Lisboa, o índice PSI20 desvalorizou-se 2,23%.

A Comissão Europeia propôs novas medidas tributárias e comerciais para combater a pandemia na União Europeia, enquanto fontes afirmaram que a Alemanha pretende aumentar seus planos de endividamento no próximo ano para financiar novas medidas de alívio ao coronavírus.

As ações alemãs sofreram sua pior sessão desde o início do mês de junho, quando o governo concordou com um novo lockdown emergencial para combater o aumento de casos da doença, com outros mercados europeus seguindo o exemplo, sob os temores de mais paralisações ao redor do continente.

Bolsas da Ásia

Na China, a Bolsa subiu pelo segundo dia, com as ações de consumo e saúde em alta. Mas houve queda em outros países. Veja como fecharam as principais Bolsas:

  • Em Tóquio, o índice Nikkei recuou 0,29%
  • Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,32%
  • Em Xangai, o índice SSEC ganhou 0,46%
  • Em Seul, o índice Kospi teve valorização de 0,62%
  • Em Taiwan, o índice Taiex registrou baixa de 0,63%
  • Em Cingapura, o índice Straits Times desvalorizou-se 1,17%
  • Em Sydney, o índice S&P/ASX 200 avançou 0,11%

Dólar sobe no mundo todo

Investidores do mundo todo compravam dólar, considerado um ativo seguro, o que levou a moeda a uma valorização generalizada. .

O índice do dólar, que acompanha a moeda norte-americana em relação a uma cesta de seis moedas, subia 0,3%, a 93,45.

*Com informações da Reuters

Cotações