Bolsas

Câmbio

Juros

Financiar imóvel usado fica mais difícil e mais caro para a classe média

Téo Takar

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images/iStockphoto/Pogonici

Está mais difícil --e mais caro-- para a classe média financiar um imóvel usado a partir desta semana. A Caixa Econômica Federal suspendeu na sexta-feira (3) parte da linha Pró-Cotista, que usa recursos do FGTS e tem o crédito mais barato depois do Minha Casa Minha Vida. Agora, o banco só oferece essa opção para imóveis novos.

Nos outros dois bancos que possuem a linha Pró-Cotista, Banco do Brasil e Santander, ela também está disponível apenas para quem vai comprar imóveis novos.

Leia também:

Opção para quem não entra no Minha Casa

A linha Pró-Cotista tem taxa de juros a partir de 7,85% ao ano. A vantagem dela para a classe média é que aceita imóveis mais caros. Podem ser financiados imóveis de até R$ 950 mil nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Distrito Federal, e de até R$ 800 mil nos demais estados. No Minha Casa, o limite é de R$ 300 mil.

Além disso, o Minha Casa está disponível apenas para quem tem renda máxima de R$ 9.000, enquanto a linha Pró-Cotista não tem limite de renda.

A única exigência para usar a linha Pró-Cotista é que ter conta ativa no FGTS há pelo menos 36 meses ou ter uma conta inativa no fundo com saldo equivalente a 10% do valor do imóvel. É possível financiar até 80% do valor do imóvel novo.

BB e Santander: também só para imóveis novos

O Banco do Brasil (BB), que também tem a linha Pró-Cotista, não serve como alternativa à Caixa. O banco já havia suspenso a oferta para imóveis usados há algumas semanas por falta de recursos, mantendo a linha de crédito só para imóveis novos. Além disso, a taxa do BB é mais alta, de 9% ao ano, semelhante a outras linhas de financiamento disponíveis no mercado.

O Santander passou a oferecer a linha Pró-Cotista recentemente aos seus clientes, mas não forneceu detalhes a respeito. O UOL apurou junto a uma fonte do banco que a linha terá juros a partir de 8,4% ao ano, mas que o banco deve dar preferência a imóveis novos que já contam com financiamento da instituição.

O Bradesco informou que deve lançar sua linha Pró-Cotista no início de 2019, mas também não divulgou mais detalhes.

Alternativa: taxas a partir de 8,8% ao ano

Quem pretende financiar um imóvel usado ou não se encaixa nas exigências da linha Pró-Cotista terá que recorrer a outras opções de financiamento imobiliário oferecidas pelos bancos.

A linha mais em conta é do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), que também utiliza recursos do FGTS. No Itaú Unibanco, a taxa começa em 8,8% ao ano; no Bradesco, em 8,95%; no Banco do Brasil e Santander, a taxa mínima é de 8,99% ao ano; e na Caixa, de 9% ao ano. Essas são as taxas mínimas e podem variar de acordo com o relacionamento do cliente com o banco. Todas as taxas têm acréscimo da TR (Taxa Referencial).

Assim como na Pró-Cotista, os limites para financiamento de imóveis novos ou usados pelo SFH são de até R$ 950 mil nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Distrito Federal, e de até R$ 800 mil nos demais estados.

Financiar imóveis acima de R$ 950 mil é mais caro

Quem pretende financiar imóveis acima de R$ 950 mil nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Distrito Federal, ou acima de R$ 800 mil nos demais estados, deve estar preparado para gastar mais com juros.

Para esses imóveis, os bancos oferecem o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) ou Carteira Hipotecária (CH). As taxas começam em 9,3% ao ano no Itaú Unibanco; 9,35%, no Banco do Brasil; 9,45%, no Bradesco; 9,49%, no Santander; e 10% ao ano, na Caixa. Essas são as taxas mínimas e podem variar de acordo com o relacionamento do cliente com o banco.

Imóveis de ate R$ 1,5 milhão entrarão no SFH em 2019

Dependendo do valor do imóvel, quem puder esperar até o começo do ano que vem poderá economizar com os juros do financiamento.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aumentou o limite de financiamento pelo SFH para R$ 1,5 milhão. A medida valerá em todos os estados, para imóveis novos e usados, a partir de janeiro de 2019.

Em todos os bancos, as taxas de juros pelo SFH são melhores do que no financiamento pelo SFI ou CH.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos