ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Finanças pessoais

Usar carro para garantir empréstimo dá juro menor, mas você pode ficar a pé

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/08/2018 04h00

O seu carro parado na garagem pode ser a solução para as suas dívidas. Ele serve como garantia para fazer um empréstimo mais barato e sair de dívidas caras.

O refinanciamento de veículo é uma das opções de empréstimo que mais têm crescido no país, segundo especialistas ouvidos pelo UOL. Nessa modalidade, você pega um empréstimo colocando o seu carro como garantia de pagamento. Os juros são mais baixos, mas é preciso cuidado porque você pode perder o veículo se não pagar o empréstimo.

São três motivos principais para esse crescimento, afirmou Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil. “Ele garante crédito a quem não tem histórico com bancos ou pouco a mostrar a seu favor, pode garantir um valor maior de empréstimo, em relação ao crédito pessoal, e tem juros menores que outras modalidades”, disse.

Leia também:

Juros cobrados começam em 1,2% ao mês

Os juros do refinanciamento de veículo começam em 1,2% ao mês. Nos cinco maiores bancos do país, os juros do crédito pessoal variam de 4,33% a 5,91% ao mês, segundo dados do Banco Central.

Além de fintechs e financeiras, grandes bancos, como Banco do Brasil, Bradesco e Santander, também oferecem a modalidade para correntistas. As taxas variam de acordo com o relacionamento que o cliente tem com a instituição e com o ano do carro colocado em garantia. Veja comparação:

Alternativa para juros altos do mercado

“Esse tipo de crédito é uma alternativa que o mercado encontrou para as altas taxas de juros”, afirmou Marcelo Ciampolini, CEO da Lendico, plataforma de empréstimos. Segundo ele, há espaço para o crescimento desse tipo de crédito.

A Creditas, que trabalha com empréstimos com garantia de carro e imóvel, viu de perto esse crescimento. Nos últimos três anos, a empresa movimentou quase R$ 300 milhões somente com refinanciamento de veículo, segundo o CEO e fundador da fintech, Sergio Furio.

“O crescimento foi exponencial por causa das taxas mais baixas, do prazo mais longo de pagamento e do processo relativamente simples, completamente digital, que libera o crédito em até 48 horas”, disse.

Em 2016, quando a fintech passou a oferecer crédito com garantia de veículos, ela recebia 21 mil solicitações por ano. Ano passado, foram 300 mil solicitações, com valor médio de R$ 18 mil e uma taxa de inadimplência de 0,8%.

Muita gente endividada fez o negócio crescer

O aumento nas buscas por esse tipo de crédito aconteceu principalmente por causa da crise econômica, que causou mais dívidas. Segundo Paula Bazzo, administradora e consultora de finanças, a busca é pela troca da dívida cara, com juros mais altos, pela dívida barata, de juros menores.

Segundo a Creditas, 51% do crédito concedido nessa modalidade é usado para refinanciamento de dívidas, 13% para investimento em negócio próprio e 12% para reformas. Na FinanZero, 60% do crédito com o carro em garantia é para pagar dívidas.

Risco é perder o carro e se complicar mais ainda

Apesar de ter vantagens, o refinanciamento de carro é um empréstimo como qualquer outro: ao contratá-lo você contrai uma dívida e pagará juros. E caso não pague o crédito você perde o carro e pode complicar ainda mais seu orçamento.

A contratação por meio de aplicativos e sites pode piorar a situação, segundo Marcela Kawauti, do SPC Brasil. “O risco embutido na simplicidade é acabar fazendo algo por impulso. Se você tivesse de ir ao banco, essa decisão seria mais pensada. Quando é digital e mais simples o processo, pode ser que você pegue um crédito do qual se arrependa depois”, afirmou.

Contratar um crédito maior do que de fato precisa é outro risco. No refinanciamento, o crédito pode representar até 90% do valor do veículo e, dependendo do modelo, esse valor pode ser bem maior do que aquele que o consumidor precisa.

“Os juros menores representam um incentivo para essa contratação, e as pessoas se expõem mais. Mas às vezes é melhor pegar um crédito de outra modalidade, de valor menor, para se expor muito menos ao endividamento”, afirmou a economista.

“Pegar um empréstimo maior do que precisa é um convite para gastar mais do que você deve”, disse a consultora financeira Paula Bazzo. Sem planejamento, o consumidor, além de perder o carro, ganha uma dívida muito maior do que a inicial.

(Reportagem: Camila Mendonça; edição: Armando Pereira Filho)

Se não sabe responder a estas 5 questões, será muito difícil ficar rico

UOL Notícias

Mais Finanças pessoais