Topo

Finanças pessoais


Robô de investimento analisa seu perfil, sugere carteira e faz aplicações

Getty Images
Imagem: Getty Images

Téo Takar

Do UOL, em São Paulo

25/12/2018 04h00

O robô de investimentos não é uma figura cibernética saída de um filme de ficção científica. É um sistema automatizado de consultoria e gestão de recursos. Dotado de inteligência artificial, ele analisa as necessidades do cliente e monta uma carteira de investimentos.

Os robôs são desenvolvidos por fintechs, empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros.

Como funciona

Todo o contato entre a consultoria e o investidor é feito pela internet. Basta entrar no site, preencher um cadastro e responder as perguntas, o que leva de cinco a dez minutos. O processo é gratuito e não é preciso ser cliente da consultoria.

Com os dados, o robô analisará o perfil financeiro e os objetivos do investidor: aposentadoria, compra da casa própria, viagem ao exterior etc. Apresentará, então, um diagnóstico financeiro e uma proposta de investimento, informando os produtos indicados e quanto é necessário investir mensalmente para atingir seu objetivo.

As recomendações vão de produtos mais conservadores, como CDBs e fundos de renda fixa, até mais arriscados, como fundos de ações brasileiras e estrangeiras. 

Concordou com o diagnóstico? Para tornar-se cliente, termine de preencher as informações solicitadas. Ao finalizar o cadastro, ele é submetido a aprovação, o que costuma acontecer na hora. 

Aprovado o cadastro, o investidor transfere os recursos para a conta indicada, e o robô cuida do resto, fazendo automaticamente os investimentos com os quais você concordou. 

Caso você não goste da proposta do robô, dá para refazer a simulação ou até falar com consultores reais via bate-papo, email ou telefone.

Qual é a desvantagem?

Depois que o dinheiro é transferido, é o robô que faz a aplicação e eventuais alterações nos investimentos ao longo do tempo para adequá-los ao objetivo estipulado.

"A desvantagem de aplicar por meio de um robô é a mesma de investir em um fundo. Você está transferindo a decisão do que fazer com o seu dinheiro para outra pessoa. Se o gestor cometer um erro e o fundo der prejuízo, não adianta reclamar depois", disse Bernardo Pascowitch, fundador do buscador de investimentos Yubb.

Quem oferece o serviço?

Quatro empresas dominam o mercado de robôs de investimento no Brasil: Magnetis, Monetus, Warren e Vérios. O funcionamento delas é parecido. As diferenças estão nos valores mínimos de aplicação, nas taxas cobradas e nos tipos de investimento indicados pelos robôs.

Preciso ter uma fortuna para investir?

Warren e Monetus aceitam aplicação inicial a partir de R$ 100. Na Magnetis, o mínimo é de R$ 1.000, e na Vérios, de R$ 12 mil.

"O cliente consegue ter acesso a uma carteira de produtos diversificada com uma aplicação inicial baixa. Se ele for investir num banco ou corretora, vai encontrar muitos fundos que não aceitam aporte inicial inferior a R$ 10 mil", afirmou Luciano Tavares, presidente da Magnetis.

Custa caro?

Os valores cobrados são menores do que as taxas de administração da maioria dos fundos oferecidos nos grandes bancos. A Magnetis cobra a menor taxa entre os robôs, de 0,4% ao ano sobre o montante investido, e a Vérios apresenta a maior taxa, de 0,95% ao ano.

É seguro?

As empresas que oferecem os robôs de investimento são fiscalizadas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), o órgão regulador do mercado financeiro.

O dinheiro que você investe não fica em poder da empresa. Ele é direcionado para fundos de investimento sob a responsabilidade de um banco ou gestora, para compra de CDBs emitidos por instituições financeiras ou para compra de ações ou cotas de fundos listados em Bolsa (ETFs).

Gostou deste texto? Assine a newsletter UOL Investimentos para receber informações como esta em primeira mão no seu email.

Mais Finanças pessoais