Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

Quanto investir por mês para se aposentar com o teto do INSS?

Você sabe quanto precisa investir todos os meses para se aposentar com uma renda equivalente ao teto do INSS, que hoje é de R$ 7,5 mil?

Claro que isso depende de onde você vai investir. Na coluna de hoje eu trago simulações para quem pretende investir por 30 anos em aplicações como o Tesouro Direto, CDB, LCA, LCI e fundos imobiliários.

Tesouro Direto: R$ 2.480 por mês

Para quem não quer correr riscos, é necessário investir cerca de R$ 2.480 por mês ao longo dos próximos 30 anos para, ao final do período, ter um patrimônio grande o suficiente para gerar uma renda vitalícia equivalente a R$ 7.500 mensais.

Veja que eu disse "renda equivalente", pois, daqui a 30 anos, R$ 7.500 valerão muito menos do que hoje. O que o cálculo considera é que você terá uma renda muito maior do que essa, mas que, por causa da inflação, terá um poder de compra equivalente ao de R$ 7.500 hoje.

A simulação parte do princípio que você consiga uma rentabilidade real média de 4,7% ao ano nos próximos 30 anos, já descontando o Imposto de Renda e a inflação.

Essa é a rentabilidade real hoje do Tesouro Direto, que é o investimento mais seguro do país. No cálculo, considerei a taxa básica de juros (a Selic) e a inflação projetadas para 2024 por analistas consultados pelo Banco Central.

CDB, LCA e LCI: R$ 1.830 por mês

Colocando o dinheiro em títulos como CDB, LCA e LCI, é possível ter uma rentabilidade um pouco mais alta do que no Tesouro Direto e ainda assim correr risco baixo. Se considerarmos uma rentabilidade de 5,5% ao ano pelos próximos 30 anos, aqui também descontando inflação e IR, é necessário aplicar R$ 1.830 todos os meses para, ao final do período, chegar a um patrimônio que renda o equivalente a R$ 7.500 por mês.

Essa rentabilidade real é aproximadamente a que se pode obter hoje com CDBs, LCAs e LCIs de bancos pequenos e médios. Esse tipo de título está disponível em diversas corretoras de valores.

Continua após a publicidade

No entanto, deve-se atentar para o seguinte: os investimentos nesses títulos só são seguros se ficarem abaixo do limite de R$ 250 mil por banco emissor. Dessa forma, você fica protegido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Caso a instituição financeira emissora do CDB, LCA ou LCI quebre, o FGC reembolsa o que você deveria receber até o limite de R$ 250 mil.

Você pode dividir os seus investimentos em títulos de bancos diferentes para estar sempre coberto. Por exemplo, se você tem R$ 1 milhão, o ideal seria manter esse dinheiro em títulos de quatro bancos diferentes, cada um com R$ 250 mil.

Mas saiba também que a proteção do FGC é de até R$ 1 milhão por investidor. Para para ter uma renda equivalente a R$ 7.500 por mês, você precisaria acumular um patrimônio de R$ 1,6 milhão. Logo, se você colocar todo o seu dinheiro nesse tipo de título, pelo menos R$ 600 mil estariam fora da cobertura do FGC. Assim, se você quer investir em títulos como CDB, LCA e LCI e não quer correr riscos, o ideal é colocar em Tesouro Direto pelo menos 40% dos seus investimentos.

Com uma carteira balanceada entre Tesouro Direto (60%) e os títulos privados citados (40%), o seu investimento mensal necessário ficaria em torno de R$ 2.190 para, após 30 anos, se aposentar com o equivalente a R$ 7.500 por mês.

Em todos esses cálculos já está descontado o IR, quando há.

Fundos imobiliários: R$ 680 por mês

Veja a diferença quando se aplica em fundos de investimento imobiliário (FIIs): o valor dos aportes precisa ser de apenas R$ 680 por mês, aproximadamente, para, ao final de 30 anos, você obter uma renda vitalícia equivalente a R$ 7.500 mensais. A diferença é enorme porque os fundos imobiliários têm um risco bem maior do que o Tesouro Direto e também do que CDB, LCA e LCI.

Continua após a publicidade

Nesse cálculo, foi considerado o retorno atual em dividendos de fundos imobiliários dos setores de logística, shopping centers e lajes corporativas (prédios de escritório de alto padrão). A mediana do retorno em dividendos desses três setores está atualmente em 8,5% ao ano, livres de impostos.

Ao investir em fundos desse, você está comprando cotas de imóveis e recebendo parte do aluguel que os locatários estão pagando. Por exemplo, se comprar cotas de um fundo de logística, você passa a receber o aluguel que a empresa locatária paga para usar um determinado galpão.

O risco, então, é muito parecido com o risco de comprar um imóvel. O retorno pode cair se o imóvel ficar vago por muito tempo, ou se sofrer calote do locatário. Além disso, não se pode ignorar o risco de desvalorização do imóvel ao longo dos anos.

Atenção à inflação

Todas essas simulações consideram que você atualize o valor dos seus aportes todos os anos. Por exemplo, se você começou aplicando R$ 1.000 por mês, e a inflação acumulada nos 12 meses ficou em 10%, a partir do 12º mês você passa a aportar R$ 1.100 mensais (os R$ 1.000 iniciais mais 10%).

Outro ponto a ser observado é que todos os rendimentos dos investimentos que caírem na sua conta ao longo dos 30 anos de aportes devem ser reinvestidos o quanto antes. Ao aplicar em fundos imobiliários, por exemplo, você recebe um valor todos os meses na conta corrente. Para dar certo o seu plano de aposentadoria, você precisa reinvestir 100% desse valor.

Continua após a publicidade

O mesmo vale para o caso de o dinheiro do Tesouro Direto ou de CBD, LCA ou LCI cair na sua conta. Isso pode ocorrer esporadicamente, dependendo do investimento escolhido, e ocorre também na data de vencimento do título.

Alguma dúvida?

Tem alguma dúvida sobre investimentos? Me siga no Instagram e envie uma mensagem por lá. Sua dúvida poderá ser respondida em breve nesta coluna.

Errata:

o conteúdo foi alterado

  • A matéria dizia para dividir R$ 1 milhão em cinco bancos, cada um com R$ 250 mil, para ter a segurança do FGC. O correto é dividir em quatro bancos. O número foi corrigido.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes