PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

O que é renda variável? Veja 4 investimentos para você conhecer

Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Cozer

17/12/2021 04h00

Segundo dados divulgados pela B3, o número de investidores em renda variável, como fundos imobiliários, BDRs, ETFs e ações, vem crescendo no Brasil. A B3, atingiu, no mês de outubro, a marca de 4 milhões de contas de pessoas físicas nessa classe de investimentos.

Se você pensa em investir ou já investe, provavelmente ouviu falar em renda variável, mas antes de partir para esse tipo de aplicação entenda abaixo o que é renda variável e os quatro tipos de investimento que têm chamado a atenção de muitos brasileiros.

O que é renda variável?

A renda variável é uma classe de investimentos em que, no momento da aplicação, não é possível saber o quanto irá render, variando conforme as condições do mercado financeiro.

Esses tipos de investimentos não possuem garantias de ganhos ou compromissos de devoluções dos valores investidos, podendo apresentar variações positivas ou negativas no resgate.

Normalmente são investimentos com mais riscos e com maiores possibilidades de ganhos, se comparados aos de renda fixa.

4 tipos de investimento em renda variável que estão chamando a atenção de muitos brasileiros

Os investimentos de renda variável possuem características em comum, porém cada investimento é diferente no que se refere a risco, retorno e funcionamento. Por isso, antes de investir, é indispensável conhecer o seu perfil de investidor, ter metas estabelecidas para cada aplicação e conhecer os produtos de investimentos.

Entre os investimentos que têm despertado grande interesse entre os brasileiros quando o assunto é renda variável, podemos listar os seguintes.

Ações

É uma maneira de a empresa arrecadar dinheiro para o crescimento do negócio. Nesse tipo de investimento você está comprando uma pequena parte da uma empresa e se tornando sócio.

Ao comprar ações você pode ganhar com parte dos resultados da empresa e também com a valorização do preço da ação.

Fundos imobiliários (FI)

Nos fundos imobiliários, você se torna um dos donos de um imóvel em conjunto com outros investidores. É uma opção de, com pouco recurso, investir no mercado imobiliário.

Os ganhos dos aluguéis são divididos entre os sócios, e na maioria dos casos os rendimentos são pagos todos os meses.

Fundos de índices (ETFs)

Nesse investimento, você compra uma "cesta" com diversos ativos. São fundos que reúnem os recursos de vários investidores. Um especialista faz a gestão do dinheiro do fundo e procura atingir rendimento iguais ou superiores a algum índice do mercado, como o Ibovespa.

Ações internacionais (BDRs)

Nesse investimento, você está investindo indiretamente em empresas estrangeiras sem precisar mandar seu dinheiro para fora do país. Ao investir em BDRs, você compra o recibo de emissão da ação de uma empresa.

Este material foi elaborado exclusivamente pelo PagBank e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL