Só para assinantesAssine UOL

Mubadala Capital aprova saída da Zamp do Novo Mercado; saiba mais

Em assembleia realizada na quarta-feira (3), o fundo soberano de Abu Dhabi, Mubadala Capital, conseguiu aprovar sua proposta para retirar a Zamp - dona das redes Burger King e Popeye's - do Novo Mercado da B3 (B3SA3).

O Novo Mercado da B3 consiste em um segmento de listagem diferenciada na bolsa brasileira, que prevê a participação exclusiva de ações com direito a voto e oferta em condições igualitárias aos minoritários em caso de mudança de controle.

A mudança no nível de governança da Zamp significou a derrota de um grupo de investidores, liderados pela Mar Asset, que queria impor novas regras para segurar o avanço do fundo, além da inclusão de uma limitação de voto, dada a posição que o Mubadala já possui (pouco mais de 30%).

A Mar Asset, inclusive, era apoiada pela FitPart, mas as sugestões foram rejeitadas.

Na justificativa da proposta, o fundo Mubadala afirmou que a saída voluntária poderia contribuir para estratégias como "captação de recursos por meio da emissão de ações preferenciais" ou "realização de operações de combinação de negócios com empresas nacionais e estrangeiras que possuam negócios sinérgicos com os da Zamp".

A leitura do mercado, ainda, é de que o Mubadala estaria de olho na compra de outras duas companhias do setor de fast food, o Subway e o Starbucks, com o objetivo de fundi-las com a Zamp. As empresas são operadas pela South Rock, atualmente em recuperação judicial.

Petrobras (PETR4) analisará proposta da Mubadala para parceria na Bahia

No último dia 22 de dezembro, a Petrobras (PETR4) informou que recebeu comunicação da empresa de investimento internacional Mubadala Capital, propondo a formalização de discussões sobre a formação de potencial parceria estratégica para o desenvolvimento do downstream (atividades de pós-produção, como refino, transporte e comercialização de produtos petrolíferos) no Brasil, em continuidade ao memorando de entendimentos divulgado em 4 de setembro de 2023.

A iniciativa tem como escopo negócios voltados ao refino tradicional, bem como o desenvolvimento de uma biorrefinaria na Bahia.

Continua após a publicidade

O objetivo da futura parceria é fortalecer o ambiente de negócios no setor, além do incremento do fornecimento de combustíveis de matriz renovável no Brasil. O modelo de negócio a ser analisado levará em consideração investimentos futuros e desenvolvimento de novas tecnologias em conjunto com a Mubadala Capital.

A Mubadala, que, por meio da Acelen, controla a Refinaria de Mataripe (RefMat) e a Acelen Energia Renovável S.A. (Biorrefinaria), indica em sua correspondência os principais termos e condições da eventual parceria. A Petrobras avaliará a aquisição de participação acionária nestes ativos.

A proposta ainda será objeto de avaliação interna pela Petrobras. A companhia também esclarece que eventuais decisões de investimentos deverão, dentro da governança estabelecida na Petrobras, passar pelos processos de planejamento e aprovação previstos nas sistemáticas aplicáveis, tendo sua viabilidade técnica e econômica demonstrada e em linha com seu Plano Estratégico 2024-2028+.

Sobre a RefMat

Refinaria de Mataripe, situada em São Francisco do Conde, na Bahia, possui capacidade de processamento de 333 mil barris/dia, e seus ativos incluem quatro terminais de armazenamento e um conjunto de oleodutos que interligam a refinaria e os terminais, totalizando 669 km de extensão.

Sobre a Biorrefinaria

O projeto de biorrefino integrado contempla plantas de produção de diesel renovável e querosene de aviação sustentável a partir de óleo vegetal oriundo de culturas nativas, com operação na Bahia e Minas Gerais. A Petrobras analisará proposta do Mubadala Capital para parceria em refino na Bahia.

Continua após a publicidade

*Com informações de Agência Brasil

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora