Só para assinantesAssine UOL

Bolsas asiáticas fecham no negativo com possível deflação na China; Europa sobe de olho nos juros

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (12), em meio a preocupações renovadas sobre a tendência deflacionária na China. A exceção foi o mercado japonês, que driblou o mau humor da região e deu continuidade a um recente rali.

Esse cenário pode influenciar nas negociações do Ibovespa hoje. Na véspera, o índice fechou em queda de 0,15%, aos 130.648,75 pontos.

Principal índice acionário chinês, o Xangai Composto caiu 0,16% hoje, a 2.881,98 pontos hoje, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto teve perda de 0,64%, a 1.749,42 pontos.

Dados oficiais mostraram que o índice de preços ao consumidor (CPI) da China recuou 0,3% na comparação anual de dezembro, em sua terceira queda consecutiva, enquanto o índice de preços ao produtor (PPI) registrou baixa de 2,7% no mesmo período, estendendo o declínio para o 15º mês seguido. Os números fracos de inflação ofuscaram o desempenho melhor do que o esperado das exportações chinesas no mês passado.

Em outras partes da Ásia, o Hang Seng cedeu 0,35% em Hong Kong, a 16.244,58 pontos; o sul-coreano Kospi caiu 0,60% em Seul, a 2.525,05 pontos, no oitavo pregão negativo seguido; e o Taiex apresentou modesta baixa de 0,19% em Taiwan, a 17.512,83 pontos.

Em Tóquio, por outro lado, o Nikkei estendeu o rali dos últimos dias, fechando no maior nível em quase 34 anos pelo quarto pregão consecutivo. O índice japonês avançou 1,50%, a 35.577,11 pontos, impulsionado por ações de conglomerados como Marubeni (+1,4%), Mitsui (+2,2%) e Mitsubishi (+1,8%). Na semana, o Nikkei acumulou robusto ganho de 6,6%.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou levemente no vermelho, acompanhando o tom predominante da Ásia. O S&P/ASX 200 recuou 0,10% em Sydney, a 7.498,30 pontos.

Europa avança de olho nos juros

As bolsas europeias operam em alta na manhã desta sexta-feira, revertendo perdas do pregão anterior, em meio a uma melhora na perspectiva de cortes de juros na zona do euro. Destaque para a ação da Airbus, que subia após a divulgação de encomendas recordes.

Continua após a publicidade

Confira o desempenho dos índices por volta das 07h30:

Londres (FTSE100): +0,78% a 7.635 pontos
Frankfurt (DAX): +0,86% a 16.689 pontos
Paris (CAC 40): +1,16% a 7.473 pontos
Madrid (Ibex 35): +1,01% a 10.105 pontos
Europa (Stoxx 600): +1,01% a 4.487 pontos

Ontem, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, disse que a "parte mais difícil" no combate à inflação provavelmente ficou para trás, e que os juros básicos começarão a ser cortados quando o BCE tiver certeza de que o ritmo de alta dos preços está retornando para a meta oficial de 2% ao ano, segundo a Reuters.

Entre as ações, a da Airbus subia 2,5% em Paris, após a maior fabricante de aviões do mundo anunciar que recebeu um número recorde de encomendas em 2023, mais do que dobrando o resultado do ano anterior.

Investidores na Europa também aguardam nas próximas horas o início da temporada de balanços corporativos dos EUA, com resultados de grandes bancos como JPMorgan e Citi. Também no radar estão dados da inflação ao produtor (PPI) dos EUA, um dia após os números do CPI pouco alterarem as expectativas para os juros americanos.

*Com informações da Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora