Só para assinantesAssine UOL

Alupar (ALUP11) deve reduzir investimentos em 2024 e nos próximos anos, diz Fitch

Em análise sobre Alupar (ALUP11) e sua subsidiária Alupar Chile, a agência de classificação de risco Fitch afirmou os ratings de inadimplência do emissor (IDRs) de longo prazo em moeda estrangeira em 'BB+' e em moeda local em 'BBB-', com perspectiva estável, com destaque para a redução nos investimentos para 2024 e para os próximos anos.

A Fitch também afirmou o rating nacional de longo prazo em 'AAA(bra)' para Alupar, sua subsidiária Foz do Rio Claro e suas debêntures locais em circulação no mercado. Além disso, afirmou o rating nacional de longo prazo 'AA+(bra)' da subsidiária Amazônia Empresa Transmissora de Energia (AETE) e de suas debêntures locais em circulação. A perspectiva, nestes casos, também é estável.

Segundo a agência, os ratings da Alupar refletem o baixo risco de seu negócio, devido à sua diversificada carteira de ativos de transmissão de energia elétrica no Brasil, setor que apresenta receitas previsíveis e margens operacionais elevadas. Para a Fitch, a empresa também se beneficia de sua atividade de geração, o que contribui para diluir riscos operacionais e regulatórios.

"O grupo deve continuar reduzindo a alavancagem e apresentando fluxo de caixa livre (FCF) positivo nos próximos anos, à medida que os investimentos diminuem", pontua, acrescentando que os ratings da Alupar Chile e da Foz do Rio Claro refletem principalmente os elevados incentivos legais da Alupar para lhes prestar suporte, enquanto a classificação da AETE é beneficiada por incentivos operacionais medianos.

Ainda de acordo com a Fitch, a Alupar deve apresentar fluxo de caixa livre positivo em torno de R$ 800 milhões em 2024 e média anual de R$ 1,1 bilhão em 2022-2026, "devido à redução de investimentos e com base em uma distribuição de dividendos correspondente a 50% do lucro líquido", explica.

O cenário-base, conforme a agência, considera R$ 643 bilhões em investimentos em 2024 e média anual de R$ 342 milhões no triênio seguinte, significativamente abaixo da média anual de R$ 1,6 bilhão de 2020 a 2022 e da estimativa de R$ 680 milhões em 2023.

A agência também detalha que o perfil de crédito da Alupar é beneficiado pela atuação da empresa em transmissão e geração de energia elétrica, principalmente no Brasil, "por meio de uma ampla e diversificada base de ativos, que dilui possíveis riscos operacionais e regulatórios".

Alupar (ALUP11): controlada vence leilão de projeto com capex de US$ 45 milhões na Colômbia

No início do mês passado, a Alupar anunciou que sua subsidiária Alupar Colombia venceu o leilão UPME 07/21 realizado na Colômbia.

Continua após a publicidade

Segundo o fato relevante divulgado pela Alupar, o investimento total (capex) para o projeto é de aproximadamente US$ 45,2 milhões, e a receita anual permitida (RAP) atinge US$ 6,178 milhões.

A Alupar já possui presença consolidada na Colômbia nos setores de transmissão e geração, contando com uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH) de 19,9 MW de capacidade instalada e uma linha de transmissão de 235 km em 500 kV.

"A conquista desse novo projeto reforça a posição da Alupar como uma empresa consolidada no segmento de transmissão neste país", declarou a empresa elétrica.

Em novembro, subsidiária da Alupar venceu leilão e investimento pode chegar a US$ 45,9 milhões

Em meados de novembro a companhia informou que sua controlada, a Alupar Inversiones Chile, foi a vencedora do grupo 02 do leilão feito no Chile para a realização de obras em 3 novas subestações, com 15,7 km de linhas de transmissão.

Conforme comunicado pela Alupar, as 3 subestações incluídas são: Seccionadora El Pimiento (220kV), Monte Blanco (110kV) e El Lazo (110kV). As linhas de transmissão do projeto consideram essas mesmas subestações.

Continua após a publicidade

"Este novo empreendimento marca o retorno da Alupar ao Chile após uma atuação bem-sucedida da companhia entre os anos de 2005 e 2016", diz o comunicado.

A receita anual permitida (RAP) vencedora é de US$ 5,198 milhões, o que representa aproximadamente R$ 25,55 milhões na cotação atual. Enquanto isso, o capex de referência (CEN) é de US$ 45,9 milhões.

O percentual da economia estimada diante do capex de referência está entre 10% e 15%. Já a relação entre a receita anual permitida vencedora e o capex da Alupar é de 13%.

O prazo de concessão é perpétuo, enquanto o prazo de construção regulatório é de 48 meses (4 anos) após a publicação do decreto de adjudicação, que está previsto para ocorrer em dezembro de 2023.

Veja um resumo das informações do projeto da subsidiária da Alupar no Chile:

  • RAP vencedora: US$ 5.198.000,00
  • Capex de Referência (CEN): US$ 45.962.891,00
  • Projeto: 3 novas subestações e 15,7 km em linhas de transmissão.
  • % economia estimada x capex de referência: 10% a 15%
  • Relação RAP vencedora/capex Alupar: 13,0%
Continua após a publicidade

Cabe lembrar que a subsidiária da Alupar no Peru foi a vencedora de um projeto relacionado a eletricidade em agosto. A companhia já atuava no país no segmento de geração de energia, por meio de uma usina hidrelétrica. Porém, a partir desse projeto, passou a atuar também no segmento de transmissão de energia.

Desempenho das ações de Alupar

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora