PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Fundos imobiliários são de fato 'conto do vigário', como afirma Luiz Barsi?

Luiz Barsi, um dos maiores investidores brasileiros da história, diz para fugir dos FIIs - Forbes
Luiz Barsi, um dos maiores investidores brasileiros da história, diz para fugir dos FIIs Imagem: Forbes
Conteúdo exclusivo para assinantes

Fernando Barbosa

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/05/2022 04h00

Por serem acessíveis e sofrerem menos oscilações do que as ações, os fundos imobiliários (FIIs) são considerados interessantes para quem está começando a investir. Mas a opinião não é unânime. Na última semana, Luiz Barsi, considerado o maior investidor pessoa física da Bolsa de Valores brasileira (B3), criticou a existência dos FIIs.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Barsi afirmou que "fundo imobiliário é um conto do vigário", e orientou que o investidor se mantenha distante dos fundos.

É hora de ficar longo dos fundos imobiliários, como orienta o megainvestidor? Afinal, quais são os benefícios desse tipo de investimento? Confira a opinião dos especialistas ouvidos pelo UOL.

Fundo imobiliário é um conto do vigário. Assim como fundos em geral. A previdência privada é outro conto do vigário. Fuja dos fundos. Você enriquece os donos de fundo. Eles te cobram taxa de administração, taxa de êxito, taxa de performance, e não conheço ninguém que ganhou dinheiro com fundo além do banqueiro.
Luiz Barsi, megainvestidor

A dura crítica de Luiz Barsi causou incômodo no mercado. Os analistas consultados pelo UOL dizem que os fundos imobiliários têm finalidades distintas às ações listadas na Bolsa de Valores e que podem ser considerados como ótimas opções para dividendos — e o megainvestidor se tornou conhecido justamente por seu sucesso neste tipo de estratégia.

"Eu discordo quase plenamente do que o Barsi falou. Não acho que o objetivo do mercado seja, necessariamente, apenas enriquecer o investidor. Existem objetivos financeiros que podem ser atingidos de forma adequada a remunerar o investidor, que não precisam ser por meio de ações de empresas na Bolsa de Valores", diz o assessor de investimentos da SVN Investimentos, Vítor Matias.

Matias reconhece que os FIIs contam com taxas de administração e performance, o que não existe para quem investe diretamente em ações. "Mas elas [as taxas] não excluem o benefício que o investidor tem ao apostar em fundos imobiliários", diz.

Vantagens de investir em fundos imobiliários, segundo especialistas

Como uma das principais vantagens dos FIIs, todos os analistas ouvidos pela reportagem apontam o fato de ser um mercado acessível.

Hoje é possível comprar a cota de um fundo por R$ 100 ou menos, declara Caio Araújo, analista de fundos imobiliários da casa de análises Empiricus. Mas há cotas negociadas até por R$ 10.

Outro ponto é que o investidor pode fazer a diversificação dos seus investimentos, com opções de cotas entre fundos de escritórios, shoppings, galpões logísticos e de crédito imobiliário, de uma forma bem simples.

"Eu não diria que uma carteira iniciante ter apenas FIIs é o ideal, mas ele [o investimento em fundo imobiliário] é muito bom pela aplicação mínima baixíssima. Pensando na diversificação, é um dos primeiros passos para quem vai investir", afirma Araújo.

Além disso, o analista da Empiricus declara que o mercado imobiliário tem como característica particular a correção dos contratos de locação por índices inflacionários, como o IGP-M (considerado o indicador que mede a inflação do preço dos aluguéis) ou IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Essa correção é importante para preservar a rentabilidade do patrimônio em momentos de reajustes elevados dos preços, como agora.

O analista da casa de análises Nord Research Marx Gonçalves diz que mesmo as empresas consideradas como boas pagadoras de dividendos do Ibovespa não costumam fazer a distribuição em períodos definidos.

"Já os FIIs, pelo menos aqueles com maior liquidez, fazem o pagamento mensal [de dividendos]. É algo mais previsível", afirma Gonçalves.

O especialista em fundos imobiliários da casa de análises Spiti, Ricardo Figueiredo, declara que o Ifix (Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários) registrou alta de 109,43% nos últimos 10 anos, ante um crescimento de 78,14% do Ibovespa, principal índice de ações do Brasil, no mesmo período.

Figueiredo aponta que a oscilação para os fundos que compõem o Ifix foi de 6% em 2021 , enquanto no Ibovespa o sobe e desce girou em torno de 17%. Ou seja, o Ibovespa teve cerca de três vezes mais volatilidade do que o Ifix no mesmo período.

"Os preços chacoalhando menos ajudam a educar o investidor nesta jornada, que muitas vezes saí do CDI, algo com volatilidade zero, para um produto com volatilidade de preço diária", diz o analista da Spiti.

O pagamento de dividendos dos fundos imobiliários ainda conta com a isenção tributária do Imposto de Renda (IR), o que tende a ser um maior atrativo a quem pretende investir neste tipo de produto.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.