PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Saúde, petróleo e bens industriais estão entre ações recomendadas em junho

Corretora aposta em carteira diversificada para junho - Getty Images
Corretora aposta em carteira diversificada para junho Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

08/06/2022 13h06Atualizada em 08/06/2022 13h07

Grandes empresas da área de saúde, petróleo, bens industriais, setor financeiro, produtos básicos e serviços públicos estão entre as ações recomendadas para o mês de junho da corretora Warren.

A seleção privilegiou empresas grandes, com bom fluxo de caixa. "Temos uma predileção por empresas de valor, em detrimento de teses de crescimento, com preferência pelos segmentos de energia, materiais básicos, financeiro e utilidades públicas", explicou a corretora, em documento para os investidores. Essas empresas, segundo a corretora, oferecem maior proteção.

Veja abaixo quais ações compõem a carteira nesta semana, em espaço reservado para assinantes.

Ações recomendadas:

A lista inclui 12 ações de empresas diversificadas:

Em relação à carteira de abril, a Warren tirou da carteira as ações da Vibra Energia (BRDT3), antiga Petrobras Distribuidora, e incluiu a PetroReconcavo, dando mais peso ao segmento de petróleo, que foi o destaque da temporada de resultados do primeiro trimestre.

Outra troca foi a saída de Taesa (TAEE11) por Weg (WEGE3). Segundo a corretora, WEGE3 caiu mais de 15% em maio, na contramão do Ibovespa, sem nenhum motivo plausível. Já a WEG, por ser uma empresa global, a receita vem tanto do Brasil quanto de outros países que compõem a sua carteira, dando maior estabilidade.

Em maio, a carteira da Warren rendeu 2,88%, contra 3,22% do Ibovespa. A seleção foi pressionada negativamente pelos papéis da Vibra, que caíram 7,95% e JBS, com baixa de 3,28%. As que mais subiram foram Petrobras (10,63%) e Klabin (9,25%).

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.