IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Com Americanas em recuperação, o que fazer com as ações do Magalu e da Via?

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

21/01/2023 04h00

A recuperação judicial das Americanas não afetou apenas as ações da empresa. Suas principais concorrentes também estão na mira dos investidores. Desde a divulgação do rombo contábil, no dia 11, as ações das Americanas despencaram de R$ 12 para R$ 1 até o dia 19, perdendo 91,7%.

Como ficam as concorrentes na Bolsa?

As ações do Magazine Luiza (MGU3) subiram 25,7%, passando de R$ 3,03 para R$ 3,81, até o fechamento do dia 19. Já a Via (VIIA3), dona das Casas Bahia e Pontofrio, viu seus papéis caírem 10,8% no mesmo período, passando de de R$ 2,60 para R$ 2,32.

O mercado também desconfiou das concorrentes das Americanas?

"Assim como a fraude de provisão encontrada na Via Varejo em 2019, o caso Americanas reacendeu o alerta sobre as auditorias contábeis das empresas abertas", disse o presidente da Legaltech Pact, Lucas Pena, sobre o desvio contábil encontrado na Americanas.

Em 2019, a Via (que na época se chamava Via Varejo) divulgou que havia encontrado uma fraude contábil em seus balanços. A investigação, que terminou em 2020, concluiu que o impacto estimado foi de R$ 1,19 bilhão. Mas, para tranquilizar o mercado, a Via, dona das Casas Bahia e Pontofrio, soltou um comunicado dizendo que o seu balanço está dentro das conformidades, já no dia 12.

O Magazine Luiza realizou não soltou até agora nenhum comunicado a respeito, mas conversou com representantes de bancos na sexta-feira (13) e disse que obedece os parâmetros de divulgação tradicionais do mercado, segundo Fernando Ferrer, analista da Empiricus que participou das reuniões.

Por que Magalu está subindo na Bolsa?

Ferrer diz que, como Magalu tentou trazer essa garantia para o setor bancário, os investidores acabaram migrando seus investimentos para as ações MGLU3.

Mesmo assim, o preço das ações do setor já estava bem longe do seu máximo histórico.

  • A ação MGLU3 chegou ao seu preço máximo em 6 de novembro de 2020, quando atingiu R$ 27,34. Antes do rombo da Americanas, a cotação do papel era de R$ 2,96.
  • As ações da VIIA3 inauguraram na Bolsa em agosto de 2021, valendo R$ 11,27. Isso porque antes o código das ações negociadas era VVAR3 - a mudança aconteceu quando mudou seu nome para Via. Até quarta-feira, o valor das ações era R$ 2,60.

O que mais afetará as ações?

  • A alta da inflação, a subida dos juros, a queda no poder de compra e o endividamento da população afastaram as pessoas das lojas.
  • Mais da metade das vendas do Magazine Luiza é feita por meio de parcelamento, por exemplo, o que se torna mais caro com os juros altos.
  • Isso faz com que os investidores também se afastem dessas ações.
  • Mas, com a aprovação, em dezembro, do texto que amplia o teto de gastos para pagar os R$ 600 do Bolsa Família, os investidores ficaram animados achando que isso poderia ser bom para as varejistas, o que vinha fazendo com que essas ações estivessem em leve alta.

As ações das varejistas podem se valorizar este ano?

No melhor dos cenários, pode haver uma recuperação gradual depois que os impactos negativos gerados pela Americanas se diluírem com o passar dos dias, dizem os analistas.

Tudo depende dos juros e da agenda econômica do novo governo, que até agora a gente não teve uma visão clara de qual vai ser.
Pedro Serra, chefe de pesquisas da Ativa Investimentos

Se os gastos do governo continuarem subindo, esse seria o pior cenário. Mas se houver algum tipo de controle, os juros podem voltar a cair, devagar. Com isso, as famílias poderão aos poucos quitar suas dívidas e voltar a consumir.

Por enquanto, não tem nenhum dado concreto que indique uma mudança que faça a ação subir.
Marcelo Inoue, sócio e analista da Perfin Investimentos

E o que fazer com as ações do Magazine Luiza e Via?

Bruce Barbosa, sócio fundador da Nord Research, concorda: é melhor esperar, não comprar e nem vender.

Os analistas dizem que o setor de varejo vem sofrendo muito com juros altos. "Recomendo não ter uma posição muito grande nesse momento de alta. É melhor procurar empresas exportadoras, empresas de infraestrutura (elétricas, por exemplo), que são setores mais defensivos", diz Abdouni.

Trabalhando com uma previsão de Selic média acima de 12%, acreditamos que existem outras empresas que devem ter um resultado melhor.
André Caminada, sócio da OBB Capital Asset Management

E no que investir?

Quem, mesmo assim, quer comprar ações de varejo, segundo Marcelo Inoue, pode escolher papéis de empresa que são menos afetadas por inflação e juros altos, como Arezzo (ARZZ3) e Iguatemi (IGTI3).

"Apesar de gostarmos do varejo geral no Brasil, preferimos ter a nossa exposição a ele através de outro setor, o de shopping centers", diz Bruno Marin.

A ação favorita do Pagbank do setor é a Multiplan (MULT3), uma das maiores operadoras de shopping centers e que tem foco nos consumidores de média e alta renda.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.