IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Xepa da Bolsa: veja que ações estão baratas e se vale a pena investir

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/04/2023 04h00

A Bolsa de Valores brasileira está barata e, mesmo com a instabilidade, pode ser hora de investir em ações. Mas nem sempre as ações baratas são as melhores para comprar.

Cálculo diz se ação está com desconto

Não é só o preço da ação que você deve analisar. A saúde financeira da companhia e o quanto ela lucra pesam muito.

Mercado criou uma fórmula para saber se uma ação está barata ou não. O cálculo divide o preço da ação pelo lucro por ação que a empresa tem. É o chamado Preço sobre Lucro, ou P/L. Quanto menor esse número, teoricamente mais barata está essa ação.

É hora de comprar ações. "Estamos num momento apropriado para quem quer comprar ações que estão bem descontadas agora porque a Bolsa geralmente sobe quando há uma inversão nos juros", diz Leonardo Piovesan, analista fundamentalista da casa de análises Quantzed, de Maringá (PR). É um bom momento, segundo Luis Novaes, analista da Terra Investimentos, para ir, gradualmente, aumentando a compra de ações, com foco no longo prazo.

Depende do seu perfil. Como um investimento de renda variável, ações sofrem grande instabilidade. Por isso, aplicar seu dinheiro na Bolsa precisa estar alinhado com sua capacidade de lidar com esse sobe e desce.

Confira quais ações têm atualmente o menor P/L, conforme levantamento da Economatica:

  1. Marfrig (MRFG3) P/L 1,0
  2. Petrobras (PETR4) P/L 1,8
  3. Suzano (SUZB3) P/L 2,3
  4. JBS (JBSS3) P/L 2,4
  5. Bradespar (BRAP4) P/L 2,8
  6. Gerdau Metalúrgica (GOAU4) P/L 3,5
  7. Vale (VALE3) P/L 3,8
  8. Banco do Brasil (BBAS3) P/L 4,0
  9. Gerdau (GGBR4) P/L 4,1
  10. Klabin (KLBN11) P/L 4,6

Fonte: Economatica - P/L medido de 13 de abril de 2022 a 14 de abril de 2023, levando em conta valores em reais.

Vale investir?

Petrobras e Banco do Brasil estão baratas. "Além de bons resultados, elas entregam bons dividendos", afirma. Mesmo que não haja a esperada queda nas taxas de juros, elas continuam fortes.

Banco do Brasil tem vantagens. Banco do Brasil tem uma das menores inadimplências do setor, por focar mais sua linha de crédito no agronegócio.

Petrobras é favorecida pelo preço do petróleo internacionalmente. "A Petrobras é, indiscutivelmente, uma empresa muito forte no aspecto operacional, seus resultados recentes comprovam isso", diz Luis Novaes, analista da Terra Investimentos.

Incerteza política preocupa. A ação da estatal está barata porque existem incertezas quanto a potenciais mudanças nas políticas internas (como a política de preços, investimento e dividendos). Mas esse risco já foi analisado pelos investidores, e o preço da ação já reflete isso, dizem os especialistas.

"Essa ação acompanha a indústria de petróleo no mundo. Com o corte de produção feito pela Opep, a tendência é repetir o bom desempenho do ano passado", diz Piovesan.

Empresas estão em dificuldades

Muitas empresas têm receita em dólar, segundo Piovesan. É o caso de Marfrig, Petrobras, Suzano, JBS, Gerdau Metalúrgica, Vale, Gerdau e Klabin.

Elas podem perder com a queda de juros. "Se os juros caírem, o dólar tende a cair também, e isso prejudica a receita dessas empresas", diz Piovesan.

Marfrig e JBS tiveram resultados ruins. Como a oferta de carne nos Estados Unidos (maior mercado dessas empresas) aumentou recentemente, o preço desse produto caiu, e a receita desses frigoríficos também.

Gerdau e Gerdau Metalúrgica, Bradespar e Vale, empresas do setor metálico, variam com o preço do minério. Nos últimos meses, elas subiram na Bolsa por causa da alta do preço do minério de ferro e da expectativa sobre a retomada econômica na China. Mas, daqui para frente, os papéis sofrem com a desvalorização do valor da commodity.

Klabin e Suzano operam no setor de papel e celulose, cujos preços estão em baixa. Isso explica o movimento de desvalorização dos ativos.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.