IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Como juntar R$ 10 mil em uma reserva de emergência? Comece com R$ 100

Você tem dinheiro guardado se for demitido? Veja como montar sua reserva de emergência - Getty Images
Você tem dinheiro guardado se for demitido? Veja como montar sua reserva de emergência Imagem: Getty Images

Gabriela Bulhões

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/04/2023 11h00

Quer receber matérias como essa toda semana no seu e-mail? Assine a newsletter UOL Investimentos. Assinante UOL ainda tem direito a receber outros 10 boletins exclusivos.

O que faria se um dia o seu carro quebrasse ou surgisse uma infiltração no banheiro e você não tivesse dinheiro para resolver? Ou em um caso de demissão, como iria pagar as contas? A reserva de emergência serve para evitar justamente esse tipo de aperto, como se fosse um colete salva-vidas.

Veja como juntar os primeiros R$ 10 mil e quais os principais cuidados.

O que é uma reserva de emergência?

É um dinheiro que fica guardado para ajudar em situações de emergência. É uma forma de não passar aperto e também não entrar em dívidas que não estavam previstas, diz Kesia Kupper, gerente de investimentos na Afinz.

A reserva deve ser utilizada quando o carro quebra, estoura o encanamento da casa ou quando você foi demitido e precisa ter dinheiro para pagar as contas, segundo Kesia. Esse dinheiro não deve ser usado como renda para outras compras, como viagens, roupas novas e bens supérfluos.

O ideal é guardar o equivalente a seis meses dos seus gastos básicos. Os gastos incluem aluguel, água, luz, internet, supermercado e demais contas que você tem todo o mês.

Também não esqueça que a reserva de emergência é para suprir seus custos de vida básicos até que tudo volte ao normal. Isso pode significar que você tenha que reduzir o padrão de vida que acostumado, cortar gastos extras, compras, restaurantes ou viagens até se estabilizar de novo. Em casos de imprevistos, é necessário pisar no freio e evitar fazer mais gastos ou dívidas, piorando a situação, declara Thiago Godoy, educador financeiro na Rico Investimentos e autor do livro "Emoções Financeiras".

Onde guardar minha reserva de emergência

Melhor do que apenas guardar, é fazer esse dinheiro render. Então, investir é a melhor estratégia. Não deixe o dinheiro na conta corrente - o risco de gastar sem querer também é grande.

Investimentos de renda fixa são uma boa pedida para fazer o valor aumentar. Por exemplo, há CDBs que rendem até 14% ao ano, uma média bruta de 1,16% ao mês, são protegidos pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), descontam o Imposto de Renda na fonte e ainda são muito fáceis de aplicar, diz.

Mas cuidado: você não deve correr riscos com esse dinheiro. Opte por investimentos conservadores, que não vão sofrer com as turbulências do mercado. Ou seja, renda variável está fora de cogitação.

Cuidado para não travar sua reserva. Como o valor precisa ser usado em imprevistos, precisa poder ser resgatado na hora ou no máximo no dia seguinte. Por isso, prefira ativos com liquidez imediata, segundo Godoy.

Precisam ser investimentos seguros e conservadores, aqueles que têm sua taxa de retorno totalmente atrelada a um índice, normalmente a taxa Selic ou o CDI.
Thiago Godoy, educador financeiro na Rico Investimentos

Vale investir o 13º ou cortar a pizza do fim de semana?

Sempre vale investir todo dinheiro extra que receber. Esses pagamentos não devem fazer parte da sua programação de gastos. Além disso, é uma forma muito eficaz de chegar ao montante da reserva de investimentos mais rápido, diz Kesia.

Antes de cortar certos confortos, como a pizza no final de semana, é importante adequar seus gastos ao seu padrão de vida. Isso porque, ao se privar de coisas que te fazem bem, tem mais chance de desistir e não conseguir se estabilizar.

Se você adequar seus gastos, economizar vira hábito. Com o tempo, você começa a fazer escolhas saudáveis, tanto para seu bolso quanto para a sua saúde, diz ela.

Como juntar R$ 10 mil de reserva de emergência

Vai depender de cada indivíduo, quanto possui de renda e quais são os gastos por mês. O primeiro passo é ter uma planilha de planejamento financeiro com todas as despesas.

Caso divida a casa com alguém, também é importante fazer esse planejamento em conjunto. Isso é importante principalmente se tem crianças envolvidas, para inserir a educação financeira na vida delas desde pequenas, segundo Kesia.

O método 50 30 20 é o mais indicado para quem está começando. Ela diz que representa uma porcentagem do ganho líquido na divisão de gastos, na qual 50% é para gastos essenciais (aluguel, contas, prestações, alimentação), 30% para gastos não essenciais (compras, lazer, serviços) e 20% para investimentos (incluindo a reserva de emergência).

Posso começar com R$ 100?

Você pode começar com aportes de qualquer valor. O que muda é o tempo que demoraria para chegar até a quantia desejada.

Não se esqueça de se atentar à inflação e taxas que podem ser cobradas de acordo com o investimento e instituição financeira. Isso porque a rentabilidade real é depois de descontar essas variáveis.

Veja quanto tempo demora para juntar R$ 10 mil com R$ 100. Investindo esse valor em um CDB atrelado ao CDI todo mês, com uma taxa média de 0,7% ao mês, levaria 76 meses para chegar no montante. O cálculo foi feito por a gerente de investimentos na Afinz e já descontou 15% de Imposto de Renda (IR).

Já investindo R$ 500 ao mês com a mesma taxa, esse período cai para 18 meses. Aqui, o desconto do IR foi de 17,5%. As duas simulações não levaram em conta inflação, que também afeta a rentabilidade.

Renda passiva

Quer saber mais sobre investimentos? O Papo com Especialista terá um grande aulão sobre investimentos inteligentes para quem está começando, a partir do dia 20 de abril. Vamos falar sobre tudo o que você precisa saber para conseguir viver com uma renda dos seus investimentos e ter sempre um dinheiro pingando na sua conta.

Serão quatro aulas, em que vamos tratar de ações que pagam dividendos, fundos imobiliários, títulos de renda fixa e fundos de investimentos. A primeira aula já está no ar.

As aulas vão poder ser assistidas ao vivo, toda quinta-feira das 16h às 17h. Assinantes podem reassistir às aulas quantas vezes quiserem. Ao final, os assinantes UOL vão ganhar guia exclusivo sobre como ter renda com seus investimentos. Assine aqui e participe!

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.