PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Inflação desacelera a 0,62% em julho; em um ano, passa meta e chega a 9,56%

Do UOL, em São Paulo

07/08/2015 09h04Atualizada em 07/08/2015 10h35

A inflação de julho atingiu 0,62%, o que representa uma desaceleração em relação a junho, quando os preços tinham subido 0,79%. Mesmo assim, essa foi a maior inflação já registrada em meses de julho desde 2004, quanto tinha sido de 0,91%. Em julho do ano passado, a inflação tinha sido de apenas 0,01%.

Em 12 meses, a inflação acumulada atingiu 9,56% --maior nível desde novembro de 2003 (11,02%). O valor está acima do limite máximo da meta do governo; o objetivo é manter a alta dos preços em 4,5% ao ano, mas com tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo, ou seja, podendo oscilar de 2,5% a 6,5%.

Em 2015, a inflação acumulada chega a 6,83%, bem acima dos 3,76% em igual período do ano passado. É também o maior valor para o período de janeiro a julho desde 2003 (6,85%).

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (7) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Economistas esperam alta superior a 9% no ano

De acordo com a última edição do Boletim Focus, levantamento feito pelo Banco Central com instituições financeiras, é esperada inflação de 9,25% neste ano. A projeção não para de subir há 16 semanas.

Quando a inflação estoura o teto da meta do governo (6,5%), o presidente do Banco Central precisa redigir uma carta explicando os motivos.

Inflação e juros

A inflação alta tem sido uma das principais dores de cabeça para o Banco Central nos últimos anos. 

A taxa de juros é um dos instrumentos mais básicos para controle da alta de preços.

Quando os juros sobem, as pessoas tendem a gastar menos e isso faz o preço das mercadorias cair (obedecendo à lei da oferta e procura), o que, em tese, controlaria a inflação.

Na última reunião, o BC elevou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,5 ponto percentual, de 13,75% para 14,25%.

Foi o sétimo aumento seguido da Selic e, com ele, os juros se tornaram os mais altos desde agosto de 2006, quando a taxa também estava em 14,25%. 

(Com Reuters)

Comer fora de casa está cada vez mais caro