IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Petrobras vai emitir R$ 3 bi em debêntures para projetos de petróleo e gás

Do UOL, em São Paulo*

19/08/2019 12h57

A Petrobras fará uma emissão de debêntures no valor inicial de R$ 3 bilhões para financiar a exploração e produção de campos de petróleo e gás e fortalecer seu caixa. A emissão será realizada em até três séries, sendo as duas primeiras de debêntures incentivadas.

A estatal já pediu à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o registro de oferta para distribuição pública das debêntures, segundo comunicado divulgado na noite de sexta-feira (16).

Debênture é um título de crédito privado emitido por uma empresa. Ela é parecida com o CDB, que é emitido por bancos. Na prática, o investidor empresta dinheiro à empresa por um tempo definido e, em troca, recebe uma remuneração fixada previamente.

As debêntures incentivadas, também conhecidas como debêntures de infraestrutura, são um tipo específico desses papéis de dívida, emitidas por empresas que atuam em projetos de infraestrutura, como rodovias, aeroportos e hidrelétricas. Essa debênture conta com um incentivo, que é a isenção do Imposto de Renda para pessoas físicas.

Áreas de petróleo e gás

A emissão será realizada em até três séries, com vencimento em setembro de 2029, setembro de 2034 e setembro de 2026.

As duas primeiras séries, de debêntures incentivadas, captarão recursos para financiar atividades de exploração e avaliação nas áreas dos blocos de Franco, Florim, Nordeste de Tupi e Entorno de Iara, do contrato de Cessão Onerosa, além de desenvolvimento e produção de petróleo e gás nos campos de Búzios, Itapu, Sépia e Atapu, segundo a estatal.

As debêntures da terceira série, que não terão incentivo tributário, deverão destinar recursos para reforço de caixa e para o curso ordinário dos negócios da companhia.

A Petrobras disse que prevê a colocação de, no mínimo, R$ 1 bilhão na operação e que pode elevar a operação em até 20% sobre o montante inicial, ou seja, em até R$ 600 milhões.

(*Com Reuters)

Basta cavar para achar petróleo?

UOL Notícias

Mais Economia