PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

'Prévia do PIB' cresce 0,24% em janeiro; em um ano, alta é de 0,69%, diz BC

Ilton Rogerio/Getty Images/iStockphoto
Imagem: Ilton Rogerio/Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

26/03/2020 09h11Atualizada em 26/03/2020 11h00

O IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), considerado uma "prévia" informal do PIB (Produto Interno Bruto), teve alta de 0,24% em janeiro, na comparação com dezembro. Em relação a janeiro de 2019, o indicador avançou 0,69%.

No acumulado dos últimos 12 meses, o IBC-Br ficou em 0,86%. As informações foram divulgadas hoje pelo Banco Central.

O resultado positivo, porém, deve ter vida curta diante das consequências esperadas com a disseminação do coronavírus.

Melhor dado para a indústria em três anos

O ano começou com o melhor resultado para janeiro em três anos da indústria brasileira (0,9%), interrompendo dois meses de taxas negativas. Ainda assim, o setor não apontava mudança de tendência.

Já o varejo teve queda de 1%, com janeiro mostrando o pior desempenho em um ano, enquanto o volume de serviços do Brasil voltou a apresentar ganhos em janeiro após dois meses de perdas, com alta de 0,6%.

Efeitos do coronavírus

Os indicadores de atividade no país devem em breve começar a registrar as consequências provocadas pelas paralisações e interrupções de cadeias devido à pandemia do coronavírus no Brasil.

A economia brasileira vem lidando com suspensão de funcionamento de várias empresas, cancelamentos de eventos e restrição de circulação de pessoas devido ao vírus.

Muitos bancos já passaram a estimar retração do PIB do Brasil em 2020, enquanto o BC cortou sua projeção para o PIB a zero, ante crescimento de 2,2% calculado em dezembro.

A nova expectativa do BC ficou em linha com a divulgada na semana passada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, que passou a ver uma alta de 0,02% para o PIB este ano.

IBC-Br

O indicador do BC é visto pelo mercado como uma antecipação do resultado do PIB. Ele é divulgado mensalmente pelo Banco Central, enquanto o PIB é divulgado a cada três meses pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em 2019, a economia brasileira teve crescimento de 1,1%.

O IBC-Br serve de base para investidores e empresas adotarem medidas de curto prazo. Porém, não necessariamente reflete o resultado anual do PIB e, em algumas vezes, distancia-se bastante.

O indicador do BC leva em conta a trajetória das variáveis consideradas como bons indicadores para o desempenho dos setores da economia (agropecuária, indústria e serviços).

A estimativa incorpora a produção estimada para os três setores, acrescida dos impostos sobre produtos. O PIB calculado pelo IBGE é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país durante certo período.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda o que é o PIB e como ele é calculado

UOL Notícias

Economia