PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Reforma Tributária

Rejeição à 'nova CPMF' cai quando associada ao Renda Brasil, diz pesquisa

Segundo levantamento, 26% da população diz não estar informada sobre a reforma tributária - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Segundo levantamento, 26% da população diz não estar informada sobre a reforma tributária Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

18/08/2020 17h48Atualizada em 18/08/2020 19h07

A grande maioria da população rejeita um imposto sobre transações digitais — proposta que vem rendendo comparações à antiga CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) —, mas consegue aceitá-lo melhor quando está associado a um programa para substituir o Bolsa Família, como o Renda Brasil.

É o que diz a Pesquisa XP/Ipespe, feita com mil pessoas nos dias 13, 14 e 15 de agosto. Segundo o levantamento, 78% da população discorda da adoção de uma "nova CPMF", mas essa desaprovação cai a 43% quando considerada a possibilidade de criação de um programa federal que beneficie mais pessoas. A aprovação é de 43%.

A rejeição ao imposto digital também é menor (37%) se o novo tributo vier atrelado à substituição de impostos pagos por empresas para facilitar novas contratações. Os que concordam com a proposta nestes termos são 46%.

Ainda no mesmo tema, 59% das pessoas dizem não lembrar de como era cobrada a antiga CPMF. Entre os mais jovens, que têm entre 18 e 34 anos, a proporção é ainda maior: 78% não sabem do que se tratava o imposto.

Quanto à reforma tributária de maneira geral, cerca de um em cada quatro entrevistados (26%) diz não estar informado sobre o tema. A maior parte (61%) se considera mais ou menos ou pouco informada, enquanto os bem informados são apenas 10% da população.

A pesquisa também indica que a maior parte das pessoas (41%) vê a alta carga de impostos como o principal problema do sistema tributário brasileiro. Ela é seguida pela falta de transparência (28%), pela injustiça do sistema (14%) e pela complexidade (6%).

A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Reforma Tributária