PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

47% dos trabalhadores brasileiros têm dificuldade para dormir

Trabalhadores de até 26 anos são os que mais relataram dificuldade para dormir - Awar Kurdish/Unsplash
Trabalhadores de até 26 anos são os que mais relataram dificuldade para dormir Imagem: Awar Kurdish/Unsplash

Diogo Antônio Rodriguez

Do UOL, em São Paulo

23/10/2020 04h00

Resumo da notícia

  • 47% dos trabalhadores brasileiros afirmam ter dificuldades no sono, segundo pesquisa da FIA (Fundação Instituto de Administração)
  • Trabalhadores de até 26 anos, ou em cargos de estagiário e trainee são os que sofrem mais; presidentes e diretores sofrem menos
  • 32% dos entrevistados afirmam que seu trabalho gera estresse excessivo ou esgotamento mental; mulheres sofrem mais do que homens
  • Estresse pode causar problemas cardíacos e imunológicos, entre outros; insônia está associada a doenças coronárias, AVCs, diabetes e depressão

Quase metade dos trabalhadores brasileiros afirmam ter alguma dificuldade para dormir. Esta é uma das descobertas da pesquisa FIA Employee Experience (FEEx), realizada com 150 mil funcionários de mais de 300 empresas em todo o país. Ela servirá de base para o Prêmio Lugares Incríveis para Trabalhar, do qual UOL é parceiro, e cujos vencedores serão anunciados em novembro.

Entre outros tópicos, a pesquisa investigou como anda a saúde dos trabalhadores. Os dados são alarmantes. Cerca de 47% relatou ter algum tipo de algum problema na hora do sono. Outros 32% afirmaram sofrer com estresse excessivo ou esgotamento mental. E quase 60% diz praticar atividade física com pouca ou nenhuma frequência.

Para Rodolfo Araújo, vice-presidente para a América Latina da United Minds, consultoria especializada em recursos humanos, a pandemia de Covid-19 teve impacto direto sobre esses números. "Coisas que se podia resolver numa conversa agora demandam marcar reuniões, conferências, e isso drena muita energia", acredita.

E, embora o coronavírus possa ter acelerado iniciativas de RH voltadas para a saúde emocional e psicológica dos trabalhadores, elas podem ser insuficientes sem a devida atenção dos gestores. "Em muitos casos, não temos lideranças sensíveis para lidar com suas equipes a partir desse novo panorama", afirma o consultor.

O chefe dorme melhor, mas se estressa mais

Mulher na cama cobre o rosto - Anthony Tran/Unsplash - Anthony Tran/Unsplash
Estagiários e trainees são os que mais sofrem na hora de dormir
Imagem: Anthony Tran/Unsplash
As faixas etárias com o pior sono são as de funcionários com até 17 anos e aqueles entre 18 e 26 anos. Coincidentemente, quando o critério de análise é o cargo, os que mais afirmam ter dificuldades são os trainees (54%) e estagiários (48%).

"As pessoas mais jovens estão sofrendo mais", avalia Araújo. "É uma geração que se cobra muito num momento crítico de vida, de construção da carreira e da independência financeira. Isso por si já gera bastante pressão."

Entre os gerentes, 43,7% responderam "durmo bem a noite toda" (só perdem para os diretores e presidentes: 52,1%). Por outro lado, são os que mais se sentem pressionados psicologicamente. Cerca de 51,3% afirmaram que o trabalho gera "estresse excessivo" ou "esgotamento mental".

Considerando-se apenas gênero, o estresse afeta homens e mulheres de maneira quase igual (20,5% e 21,2%, respectivamente). Mas elas estão mais esgotadas mentalmente: 17,5% a 12,1%.

"O tema da pressão no ambiente de trabalho terá de ser revisto", acredita Araújo. "As pessoas são diferentes, têm constituições familiares e contextos diferentes. Cada vez mais, as organizações precisarão olhar o indivíduo dentro do seu universo particular."

Saúde mental não é saúde?

Estresse no trabalho - iStock - iStock
Estresse pode afetar o coração e a imunidade, entre outros problemas
Imagem: iStock
Mesmo com esses números, a maioria dos entrevistados avaliou a própria saúde positivamente. Cerca de 64,8% declarou "tenho boa saúde" e apenas 20,1% disse ter "problemas eventuais" (Mulheres relatam mais "problemas eventuais" que homens: 27,1% a 18,9%).

Ao que tudo indica, a maioria dos trabalhadores brasileiros não percebe problemas mentais como um fator de saúde. A literatura médica, porém, é repleta de evidências de que ambos os aspectos estão relacionados.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, o estresse é o quarto maior fator de risco para infarto no Brasil e, nas mulheres, aumenta essa possibilidade em até 8 vezes. Ele também tem diversas outras consequências, afetando desde a imunidade até a pele. Já a insônia está associada a doenças cardíacas e a acidentes vasculares cerebrais e também à diabetes e à depressão, entre outros problemas.

Para Araújo, isso indica que as empresas precisam ter uma abordagem mais "integral" sobre a saúde do funcionário. "Não apenas prover benefícios, mas se comunicar e criar uma cultura de bem-estar", sugere. "Colocar na agenda das lideranças olhar para os fatores de saúde física e mental, boa alimentação, atividades físicas".

O Prêmio Lugares Incríveis para Trabalhar é uma iniciativa do UOL e da Fundação Instituto de Administração (FIA) que vai destacar as empresas brasileiras com os mais altos níveis de satisfação entre os seus colaboradores. Os vencedores serão definidos a partir dos resultados da pesquisa FIA Employee Experience, que mede o ambiente de trabalho, a cultura organizacional, a atuação da liderança e a satisfação com os serviços de RH. A pesquisa já está na fase de coleta de dados das empresas inscritas e os vencedores do Prêmio devem ser anunciados em novembro.