PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Cotações

Dólar dispara, e Bolsa desaba após anulação de condenações de Lula

Do UOL, em São Paulo*

08/03/2021 16h22Atualizada em 08/03/2021 18h26

O dólar comercial disparou, e a Bolsa opera em forte queda hoje, após o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin anular todas as condenações impostas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela 13ª Vara Federal de Curitiba no âmbito da operação Lava Jato. Com a decisão, que ainda será avaliada pelo plenário do Supremo, Lula volta a ser elegível.

O dólar fechou em alta de 1,67%, a R$ 5,778 na venda. É o maior valor de fechamento desde 15 de maio do ano passado (R$ 5,839). A moeda já operava em alta ao longo do dia, mas passou a subir ainda mais após a decisão de Fachin. O Ibovespa, principal indicador da Bolsa de Valores brasileira, tombou 3,98%, a 110.611,58 pontos.

A Bolsa paulista já operava em queda desde a abertura, em meio a movimentos de venda de ações para embolsar lucros e um quadro ainda preocupante sobre a covid-19 no país.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Eleições de 2022

Segundo o gabinete de Fachin, o ministro entendeu que Curitiba não tinha competência para julgar os processos e anulou todas as decisões proferidas nos casos do tríplex do Guarujá, do sítio em Atibaia, da compra de uma sede para o Instituto Lula e das doações feitas ao instituto do ex-presidente.

A Procuradoria-geral da República vai recorrer da decisão, que agora precisará ser analisada pelo plenário da Corte.

No fim de semana, a imprensa publicou levantamento do Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec), segundo o qual Lula teria mais potencial de voto do que Bolsonaro nas eleições de 2022.

"Com Lula elegível, cresce ainda mais a chance de este governo ir totalmente para o populismo", disse Alfredo Menezes, sócio-gestor na Armor Capital, à agência de notícias Reuters.

O receio de investidores de que o governo enverede por um caminho mais populista aumentou nas últimas semanas, depois de uma série de episódios em que, para o mercado, o presidente Jair Bolsonaro agiu deixando de lado princípios de uma política econômica liberal.

Destaque para a decisão do presidente de trocar o comando da Petrobras e os alertas feitos por ele de atuação em outras estatais e setores da economia, como energia.

*Com informações da agência Reuters

Cotações