PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

BC vê inflação acima da meta em 2017, e não mais "ligeiramente" acima, traz ata do Copom

Marcela Ayres

10/03/2016 09h01

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central informou que sua projeção da inflação pelo cenário de referência segue acima do centro da meta de 4,5% em 2016 e em 2017, mas retirou a menção de que para o ano que vem a inflação estava "ligeiramente" superior, pavimentando o caminho para que a taxa básica de juros não seja reduzida tão cedo apesar da fraqueza na economia.

A autoridade monetária ressaltou ainda que continuam as incertezas associadas ao balanço de riscos, principalmente quanto ao processo de recuperação dos resultados fiscais e sua composição, ao comportamento da inflação corrente e das expectativas de inflação, segundo a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta quinta-feira (10).

Na quarta-feira da semana passada, o BC manteve a Selic em 14,25% ao ano, mesmo patamar desde julho de 2015, numa decisão dividida entre os membros do Copom.

Foi a terceira reunião seguida em que o colegiado se dividiu, com os diretores Sidnei Corrêa Marques (Organização do Sistema Financeiro) e Tony Volpon (Assuntos Internacionais) votando pela elevação dos juros em 0,5 ponto percentual.

Na ata, o BC ressaltou que a dinâmica dos preços administrados e o hiato do produto "mais desinflacionário que o inicialmente previsto" são fatores importantes do contexto em que decisões futuras de política monetária serão tomadas, ressaltando a importância da desaceleração da economia.

"O BC, por um lado, mostra que a atividade econômica está mais fraca, mas por outro está muito preocupado com as contas públicas. Isso sugere certa resistência para reduzir os juros e cautela para na condução da política monetária", afirmou o economista-chefe da corretora Votorantim, Roberto Padovani, para quem a Selic será reduzida somente no 4º trimestre deste ano.

Inflação

O BC diminuiu sua estimativa para a alta de preços administrados em 2016 a 5,9%, contra 6,3% na ata anterior, mantendo a expectativa de aumento de 5% para o ano que vem. Ao mesmo tempo, passou a enxergar redução de 3,5% nos preços de energia elétrica este ano, contra alta de 3,7%.

Por outro lado, o BC ressaltou que a inflação mostra resistência. Pesquisa Focus do próprio BC, que ouve semanalmente uma centena de economistas, mostra que a projeção de alta do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) é de 7,59% em 2016, caindo a 6% no ano que vem.

Também destacou a importância do ambiente fiscal em seu cenário.

"Indefinições e alterações significativas na trajetória de geração de resultados primários, bem como na sua composição, impactam as hipóteses de trabalho contempladas nas projeções de inflação e contribuem para criar uma percepção negativa sobre o ambiente macroeconômico, bem como têm impactado negativamente as expectativas de inflação", trouxe a ata.

Sobre a margem de ociosidade no mercado de trabalho, o BC afirmou que ela encontra-se elevada, em substituição à frase "tem aumentado em ritmo mais forte".

Atividade econômica

O BC também disse que atividade econômica continua a se ajustar, num ritmo de expansão este ano inferior ao previsto anteriormente, processo especialmente intensificado pelas incertezas vindas de eventos não econômicos, com retração dos investimentos.

A ata do Copom não levou em consideração os últimos desdobramentos políticos, com o dólar a R$ 3,95. Mas a moeda norte-americana caiu 4,91% desde quinta-feira até a véspera, ao patamar de R$ 3,68, na esteira da última fase da Operação Lava Jato, na sexta-feira passada, que colocou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras.

A crise econômica no bolso: o que mudou na sua vida?

UOL Notícias