PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Econoweek

Influenciadores de investimentos: dá para confiar?

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

09/12/2020 04h00

Recentemente, a principal influenciadora de finanças do Brasil, Nathalia Arcuri, anunciou que deixaria de firmar parcerias com corretoras de investimentos e outras empresas ligadas ao mercado financeiro em seu canal do YouTube.

Além de abrir mão de um contrato milionário com um banco, a atitude levantou uma discussão importante: como influenciadores de finanças podem produzir conteúdos de educação financeira ao mesmo tempo que têm clientes como bancos, corretoras e outras plataformas financeiras?

Para participar dessa discussão, convidamos a Júlia Mendonça, outra grande influenciadora da área e colunista do UOL, para um bate-papo no vídeo acima, que ficou muito legal e está cheio de recomendações importantes!

Agora, vamos às principais dicas de como identificar aqueles influencers que realmente levam educação e conteúdo de qualidade, daqueles que só querem o seu dinheiro:

Negócio muito lucrativo

Ao conhecer um novo canal ou página que fala de finanças, uma característica pode dar muitos sinais sobre a honestidade e lisura do influenciador: a promessa de de alta rentabilidade para um suposto investimento.

O maior investidor da história, Warren Buffett, teve rentabilidade média de ao redor de 20% ao ano para seus investimentos, investindo principalmente em ações e, mesmo sendo muito experiente, assumindo riscos equivalentes a essa modalidade de investimentos.

Esses 20% ao ano são equivalentes a um retorno de pouco mais de 1,5% ao mês. Hoje, há golpistas prometendo retornos até maiores que esse, "sem risco" e "sem volatilidade".

É mentira! Fique atento.

Retorno garantido

Se deparou com um perfil no Instagram garantindo que haverá retorno de 1%, 2% ou mais sobre seu investimento. Saiba que não há retorno 100% garantido, principalmente tão altos como esses.

Mesmo Warren Buffett, o maior investidor da história, teve seus altos e baixos, com meses e anos piores e outros melhores.

Golpistas disfarçados de influenciadores dos investimentos costumam prometer uma trajetória muito tranquila para quem investir com ele ou com uma marca parceira, de modo que os ganhos seriam uniformes e constantes ao longo do tempo, característica inexistente em investimentos mais arrojados.

Dinheiro rápido

Se para tudo na vida, como na carreira e nos estudos, os resultados demandam tempo, paciência e determinação, por que nos investimentos seria diferente?

Para a maioria absoluta das pessoas, alcançar altos cargos e salários não acontece da noite para o dia. É preciso ganhar experiência, se aprimorar, para, aos poucos, galgar novos cargos e salários.

Imagine alguém que chutou hoje uma bola de futebol pela primeira vez. Quais são as chances de ele se tornar o novo Neymar ou Messi e vestir a camisa de atacante do Barcelona no dia seguinte? Parece remota, não é?

Mesmo se tornar um jogador de um time nacional na série A do campeonato brasileiro não é para qualquer um. Exige muito empenho, tempo e paciência.

Nos investimentos não é diferente: vá com calma que dá para chegar longe e não tenha pressa.

Influenciadores que só querem seu dinheiro costumam seduzir a muitos com promessas de altos lucros em tempo recorde. Isso não existe!

Exija credenciais

Não acredite em sites bonitos, apresentações bem feitas e golpistas bem vestidos e com boa lábia. Exija as credenciais desses profissionais.

Aqui no Brasil, há alguns órgãos que fiscalizam e regulam profissionais e empresas do setor de investimentos, tais como:

  • CVM: todas as instituições financeiras com autorização para atuar no Brasil precisam estar registradas na Comissão de Valores Mobiliários, a CVM;
  • B3: a Bolsa de Valores brasileira lista todas as empresas autorizadas a fazer operações dentro do seu ambiente de negociações;
  • Anbima: a Anbima representa empresas do mercado financeiro e é possível verificar informações de uma empresa que lhe ofereceu algum produto de investimento por aqui;
  • Órgãos reguladores de profissionais: entidades como Planejar e Apimec listam a situação de profissionais certificados para atuar em diversos segmentos financeiros, como consultorias.

Você costuma se informar sobre finanças com influenciadores? Conte nos comentários ou fale com a gente pelo nosso canal do YouTube e Instagram.

PUBLICIDADE