PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Econoweek

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Conheça os 9 tipos de falsos investidores. Cuidado com eles!

César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

26/02/2021 04h00

Você também sofre com seus investimentos, se esforça, mas não tem muito resultado?

No vídeo acima, falei sobre o falso investidor, aquela pessoa que parece saber tudo de investimentos, que está ganhando muito dinheiro investindo, mas na verdade não sai do lugar e às vezes pode até estar levando prejuízo.

Vou mostrar a você quais são os nove tipos de falsos investidores e passar a receita básica do Econoweek para seus investimentos começarem a dar resultado.

Muito conhecimento

Acreditar que seus bons resultados recentes no mercado financeiro se devem ao seu amplo conhecimento e muita experiência com investimentos é um erro comum do falso investidor.

Em muitos casos, os ganhos se devem a um período de mercado em alta. Quando a tendência muda, esses investimentos serão testados e a estratégia pode ruir.

Investimentos 100% arrojados

Fazer investimentos em ativos mais arriscados eleva o potencial de retorno (e de prejuízo).

Além disso, esse tipo de falso investidor não tem sequer uma reserva de emergência.

Quando é preciso resgatar parte do dinheiro para consertar a tela do celular ou qualquer outra eventualidade, ele põe sua estratégia de investimentos em perigo, já que pode ter de resgatar ativos com prejuízo por estarem "em baixa".

Pula-pula

O investidor que muda de ativos a todo momento vende e compra toda hora um "investimento" diferente.

Com esse comportamento, ele aumenta muito seu risco aproximando-se do perfil de um day-trader e reduz suas chances de colher os frutos do investidor de longo prazo, como recebimento de dividendos e valorização consistente e não volátil de uma ação.

Estuda muito, investe pouco

É preciso estudar, mas mão na massa é a melhor escola.

Comece aos poucos, com um dinheiro que não lhe fará falta, enquanto se prepara. Assim, novas dúvidas práticas irão surgir e seu estudo trará muito mais resultado aos seus investimentos.

Maria-vai-com-as-outras

Esse tipo de falso investidor ouve muita opinião de especialista, influenciador, casa de análise, investe em fundos, mas nunca ganha autonomia para conseguir filtrar as recomendações que recebe nem investe sozinho.

Apressadinho

A pressa é inimiga da... Riqueza!

Já comentei por aqui que os investidores que buscam enriquecimento em curto espaço de tempo se expõem a enormes riscos e podem pôr tudo a perder.

Um estudo da FGV mostra que mais de 90% dos investidores day-traders operam no prejuízo e os que lucram dificilmente superam os R$ 100 de receita diária.

Na vida, ninguém começa como estagiário em uma empresa e no ano seguinte se torna diretor.

No mundo do futebol, ninguém chuta uma bola pela primeira vez e em dois ou três anos vira titular do Barcelona.

É preciso empenho, consistência e dedicação para colher os frutos do próprio esforço.

Por que será que tanta gente ainda cai no golpe das promessas de estratégias de "investimentos seguros, lucrativos e de enriquecimento rápido"?

Todos os ovos num cesto só

O investidor que investe tudo em uma única classe de ativos, ou em um mesmo setor, também aumenta muito as chances de uma má notícia afetar todo seu patrimônio de uma só vez.

É preciso diversificar o risco.

No Econoweek, temos diversas dicas de como fazer essa diversificação. Confira aqui.

A mesma coisa, embora menos grave, vale para o investidor que investe apenas na reserva de emergência. Ele estará protegido, mas desperdiçando uma enorme oportunidade de buscar maiores rentabilidades para o dinheiro que já excedeu esse propósito.

Investir não é apostar

Diferente de jogos de pôquer, cassino, jogo do bicho e outros, investir é totalmente diferente de ter sorte.

É preciso ter estratégia. Afinal, é seu dinheiro que está em jogo.

Por isso, fuja de pirâmides financeiras, promessas de dinheiro fácil, rápido e seguro (isso não existe!), bem como aplicativos não regulados no Brasil e cheios de denúncias de fraude como o IQ Option, que fornecem um ambiente de apostas desfavoráveis ao usuário, mesmo que esteja "fantasiada" de investimentos.

Modinha

O investidor que aplica em ativos da moda, quando todos estão falando daquilo, sem conhecer os fundamentos daquela estratégia, tem uma grande chance de estar "comprando na alta para vender na baixa". Fique atento!

Receita Econoweek de investimentos

Para não ser um falso investidor, cometendo os erros que comentamos, a receita básica é:

  1. O primeiro passo é não cair na ilusão de dinheiro rápido e fácil. É até possível ganhar muito dinheiro e de forma rápida no mercado financeiro, mas correndo muitos riscos e sem ter uma regularidade.
  2. O segundo passo é montar sua reserva de emergência. Não precisa ter pressa e pode ir investindo em outras coisas ao mesmo tempo se isso estimular você.
  3. Depois de montar a reserva de emergência é preciso diversificar em renda fixa com menor liquidez e mais risco, aumentando o retorno.
  4. Alinhar seus investimentos a seus objetivos. Não adianta investir em um título que só permite o resgate em dez anos se pretende sacar o dinheiro em dois.
  5. Em seguida, pense em expandir gradualmente sua carteira na renda variável. Normalmente, os investidores começam pelos fundos imobiliários, fundos de investimentos e depois ações.

Você já cometeu algum desses erros? Conte nos comentários ou fale com a gente pelo nosso canal do YouTube e Instagram.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL